Tite diz que Neymar "preferia falta ao gol" em 2012 e destaca crescimento

Do UOL, em São Paulo

  • Lucas Figueiredo/CBF

Em uma longa entrevista exibida no programa Esporte Espetacular neste domingo na TV Globo, o técnico Tite discorreu sobre diversos assuntos relacionados à seleção brasileira, entre eles o crescimento do Neymar desde seu início de carreira no Santos. O treinador lembrou que o atacante evoluiu muito desde 2012, quando ainda trabalhando no Corinthians ele se envolveu em uma discussão com o então santista em um clássico na Vila Belmiro.

"De 2012 para 2016 ele teve um processo de maturidade muito grande. Ele foi para o clube certo. (Na época) ele preferia (cavar) a falta a ir ao gol. Cresceu, como todos nós crescemos. Em 2012 eu tinha uma série de erros. Eu quero avaliar a situação do momento, do crescimento que ele teve", disse ao ser lembrado daquela discussão pela apresentadora Fernanda Gentil.

Na ocasião, Tite ficou irritado com um "pisão" que o corintiano Guilherme Arana recebeu de Neymar e com o que interpretou como firulas do atacante na vitória do Santos por 3 a 2.

Se a questão da objetividade já está resolvida pelo craque, o técnico da seleção tem enfrentado questionamentos sobre o comportamento de Neymar dentro de campo. Recentemente o jogador tem mostrado irritação em alguns jogos e foi desfalque em partidas importantes do Brasil por punições, como na eliminação da Copa América de 2015.

Porém, Tite diz que os pedidos por mais disciplina têm de ser sutis para não inibir o craque. "Eu sempre tenho a disciplina como um aspecto fundamental para que a gente possa desenvolver em alto nível, mas eu tenho que ter, também, uma coisa muito sutil, porque senão inibo o atleta e tiro a competitividade. Tenho que medir, ainda não tenho a noção disso tudo", disse.

Tite ainda tratou de inúmeros outros assuntos na entrevista. Veja suas principais declarações.

Identificação pelo trabalho
"Eu tenho a compreensão do carinho (do torcedor) e é bom sentir desta forma. Fico muito orgulhoso de não ser identificado com um clube, mas com uma conduta. Consigo convocar um garoto de Flamengo, Corinthians e Palmeiras e as pessoas sabem que estou contribuindo para o esporte.


Observação na Série B (ele assistiu a Vasco x Atlético-GO no sábado)
"Existem jogadores de alto nível, eram duas equipes liderando a Série B. É uma responsabilidade profissional. Fui pelo conjunto da obra, até buscar um atleta individualmente. A qualidade técnica já conhecia. Conheço o Adrezinho, Nene é um jogador que quase levamos para o Corinthians..."

Rodízio de capitães
"Tem diversas características para um líder. Um que venha externar mais, tem o líder comportamental, o mais aguerrido dentro de campo, tem o líder técnico. Temos uma série de líderes para dividir a responsabilidade".

 Rotina na CBF
"Chego na CBF às 10h da manhã e saio às 19h, com uma hora de almoço. Temos uma equipe que cuida de tudo e monitora os atletas. Só em Portugal são 130 atletas na Serie A. Nós acompanhamos 40 ou 50 de perto, mas claro que é uma lista aberta que sempre podemos ver outro jogador", afirmou.

Neymardependência
Acho que já não tinha antes. É injusto colocar num atleta de alto nível como Neymar todas as responsabilidade por vitória e derrota. Ou se tem uma equipe que se potencialize todas as situações individuais, senão o erro vai estar na nossa forma de atuar, na minha especificamente como técnico.

Como manter comprometimento com tantas redes sociais?
"Passei uma informação para eles, para refletirem, quando conversamos. Eu optei em um ano da minha carreira por ser comentarista esportivo e sei que as pessoas e eu, enquanto comentarista, não sou contra ou a favor de ninguém, eu apenas tenho que fazer meu comentário. Ou ele é de crítica ou de elogio, ou é de uma maneira tranquila, faz parte do jogo, faz parte da nossa atividade lidar com a crítica, com o elogio, qualquer que seja a rede social, o meio de comunicação."

Visita íntima na concentração
"Não vejo ainda essa possibilidade no dia anterior ao jogo, mas nós fizemos o seguinte na seleção, com o Edu: um dia pós, normalmente sãs dois jogos, ter um dia de folga, vai fazer a tua vida, vai curtir com a tua esposa, namorada, vai fazer aquilo que tu faz e que pessoas normais e naturais têm, cada um com suas responsabilidades."

Vai devolver a faixa de capitão ao Thiago Silva?
Primeiro estágio ele conseguiu, que era o retorno pelos méritos e pelo trabalho dele. É um dos atletas que tem esse perfil de liderança e vai estar dentro do grupo que vai estar com a braçadeira, sim.

Lado emocional do Thiago Silva e o peso após a Copa de 2014
Recebi uma pergunta legal quando fomos campeões brasileiros, que o Elias chorou, e que o repórter colocou assim: 'Tite, que legal, o Elias chorou e mostra o comprometimento, quanto de paixão ele tem pelo clube e quanto ele queria'. Aí eu falei: 'Interessante, em outro momento, de derrota, o choro é interpretado como desequilíbrio emocional. Eu não consegui entender'. A gente tem quer compreender que emoções fazem parte de nós. A razão e a emoção andam de forma juntas, não existe outra forma. Nem a coisa é extraordinária porque ganhou nem a outra é desequilíbrio porque perdeu.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos