"Covarde?" James está sob pressão para votar sobre guerra na Colômbia

Do UOL, em São Paulo

  • Xinhua/Juan Páez/COLPRENSA

    James Rodriguez em ação pela Colômbia, meia sofre pressão para apoiar plebiscito

    James Rodriguez em ação pela Colômbia, meia sofre pressão para apoiar plebiscito

No próximo fim de semana, a Colômbia vai às urnas para votar se aceita, ou não, o acordo entre o governo e as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) que promete pôr fim a 52 anos de conflito no país. Os termos já foram acertados e uma cerimônia realizada na última segunda deu o penúltimo passo para encerrar o conflito. O último é o plebiscito que pergunta à população se ela aceita os termos entre governantes e guerrilheiros. E é aí que entra James Rodriguez.

O meia do Real Madrid é hoje uma das figuras mais populares da Colômbia. Só que, ao contrário da maioria das outras celebridades do país, ele ainda não se posicionou a respeito do plebiscito. "James tem ainda uma semana para fazer um gesto de maior coragem por seu país do que qualquer outro troféu que possa conquistar, inclusive a Copa do Mundo; ele tem uma semana para mostrar se o seu interesse pelo dinheiro é maior do que o bem comum dos colombianos, se é um covarde ou um valente", escreveu John Carlin, autor de "Conquistando o inimigo", livro que retrata o papel do rúgbi na África do Sul de Nelson Mandela pós-apartheid e inspirou o filme "Invictus".

O artigo, publicado no jornal El Pais, é um apelo do autor para que James diga "sim". Mais que um simples plebiscito, o voto do próximo domingo pode sacramentar um dos momentos políticos mais importantes da América do Sul no século XXI. Na visão do jornalista, o apoio do jogador é fundamental para que as tratativas de paz sejam colocadas em prática. 

James poderia mudar o cenário

Para selar o fim da guerra nos termos do acordo, o governo colombiano precisa que o "sim" vença o "não" no próximo domingo – e que pelo 13% do povo vá às urnas, o que não tem sido comum em um país em que o voto não é obrigatório. As últimas pesquisas apontam que a negociação deve ser aprovada nas urnas, mas a última semana é considerada essencial em uma corrida apertada. Na visão de John Carlin, a presença de James poderia ser decisiva a favor do fim do conflito. Ele ainda acrescenta que o jogador foi contatado pela campanha, mas até agora não se pronunciou.

Ao contrário do meia do Real, já se disseram a favor do acordo o atacante Falcao Garcia, o ciclista Nairo Quintana (atual campeão da Volta da Espanha e líder do ranking mundial da modalidade), o cantor Juanes e a atriz Sofia Vergara. Na última terça, Shakira anunciou que se juntou à campanha com uma mensagem em seu Twitter.

"'Se faz o caminho ao andar...' Colômbia minha, falta pela frente. Cuidar e cimentar os nossos filhos é cimentar um caminho de paz", disse a cantora.

Além dos famosos locais, a comunidade internacional parece dar razão ao acordo. A cerimônia da última segunda, realizada na cidade de Cartagena, contou com a presença de lideranças como John Kerry, secretário de Estado norte-americano, e Ban Ki-Moon, secretário-geral da ONU, além de lideranças regionais como Mauricio Macri, presidente da Argentina, Michelle Bachelet, presidente do Chile, e Enrique Peña Nieto, presidente do México.

Neste cenário, se abster não é tarefa das mais fáceis. Mariana Pajón, bicampeã olímpica no BMX e outra expoente do esporte colombiano, foi vítima de uma montagem que a apontava como apoiadora do "não". Seu irmão usou as redes sociais para tentar esclarecer a questão. "Mariana não participa em campanhas pelo plebiscito. Não apoia o 'sim' ou o 'não'. Sua mensagem é que a paz não se dá em Havana [capital de Cuba, onde foi negociado o acordo], e sim em cada um de nós", disse Miguel Pajon, segundo o El Pais, no que foi entendido como um sinal de que a ciclista é contra a negociação.

O que representa o plebiscito?

As Farc são um grupo guerrilheiro que se abriga nas florestas colombianas e vive há mais de cinco décadas em conflito com o poder vigente do país. Tratados como terrorista pelas principais potências mundiais, operou ao longo dos anos por meio de assassinatos, sequestros, estupros e desalojamentos. Segundo a entidade ONG Unidad para las Victimas, foram oito milhões de pessoas diretamente afetadas pela guerra no período.

Há quatro anos, o atual presidente Juan Manuel Santos iniciou um processo de negociação pela paz com as Farc. O acordo envolve punição mais branda que o normal aos crimes cometidos, fim da relação com o narcotráfico, reintegração dos guerrilheiros na sociedade e conversão da Frente em um partido político apto a participar do jogo democrático.

Em junho deste ano, governo e Farc entraram em acordo e iniciaram um cessar-fogo. Atendendo a uma promessa da campanha do atual presidente, os termos da negociação só serão colocados em prática se a população aprová-los em plebiscito. O problema é que nem todos estão satisfeitos com o que se promete. Liderados pelo ex-presidente Alvaro Uribe, conservadores fazem campanha para que se diga "não" ao acordo, o que colocaria por terra todas as tratativas dos últimos quatro anos.

A importância do futebol no universo das Farc

O distanciamento que James escolheu tomar é curioso, dada a importância da figura dele no contexto em que se dá a negociação. Em primeiro lugar, ele é importante pelo futebol. Observadores que se colocaram em contato com guerrilheiros das Farc historicamente relatam o esporte como um elo entre as pessoas que vivem como nômades no meio da selva e o mundo como nós conhecemos.

Em julho deste ano, pouco depois do anúncio do cessar-fogo, um jornalista do El Pais visitou um acampamento das Farc e notou que uma das principais mudanças das tratativas pela paz está na vestimenta dos guerrilheiros. Antes acostumados a cores neutras que dificultavam os trabalhos dos helicópteros do exército, hoje eles se sentem aptos a usar camisetas mais chamativas. As escolhas mais naturais são camisas de futebol. A 10 de James, no Real Madrid, é "onipresente", segundo o relato do repórter.

A agência EFE escreve que o futebol foi, nos piores tempos de conflito, uma forma dos guerrilheiros terem contato com lugares inatingíveis como Madri ou Barcelona. Em um grupo que se define como marxista-leninista, colombianos envolvidos por décadas na guerra esquecem as convicções comunistas para apoiar jogadores como James ou Falcao.

A relação com estes ídolos explica, para alguns, como foi possível chegar ao acordo que está prestes a entrar em vigor. Um artigo do jornal inglês Guardian, no começo do mês, mostrou que o momento econômico favorável, com abertura ao turismo internacional, mudou a imagem da Colômbia no exterior.

O país deixou de ser a casa do narcotráfico, da violência e de Pablo Escobar como era nos anos 1990. Hoje, a melhora de indicativos sociais e o sucesso mundial de estrelas como Sofia Vergara, Shakira e James Rodriguez fazem um conflito armado parecer uma opção bem pior do que era há 30 anos, no auge do conflito.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos