Confederações pressionam, e Conmebol adia teste com final única para 2018

Pedro Ivo Almeida e Rodrigo Mattos

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • AFP PHOTO/Luis Acosta

    Jogadores do Atlético Nacional comemoram título após final da Libertadores de 2016

    Jogadores do Atlético Nacional comemoram título após final da Libertadores de 2016

Ponto de impasse nas reformas da Conmebol para a Copa Libertadores, a final em jogo único ainda não ocorrerá em 2017 – como outras mudanças do torneio. Diante da pressão de confederações nacionais nos últimos dias, a entidade sul-americana resolveu aumentar o debate nos próximos meses e adiar o modelo para 2018. O anúncio foi feito nesta terça-feira (04). 

A Conmebol explicou que continua analisando a ideia de fazer uma final única, mas não para 2017. "A ideia de uma final única é organizar uma grande festa para celebrar o futebol e fazer um elemento integrador na Sul-Americana. Desde o ponto de vista esportivo, um estádio pré-definido tem o atrativo de oferecer um campo de jogo neutro para os finalistas conversando um elemento surpresa, pois sempre existe a possibilidade de uma equipe local chegar a final", comentou o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez em comunicado emitido nesta terça. 

 "No entanto, isso requer uma planificação de primeiro nível para garantir a excelência de logística, infraestrutura, segurança, mobilidade, organização de eventos. Também temos escutado as preocupações dos torcedores e a Conmebol deve trabalhar para que existam alternativas de viagem e alojamento que permitam que toda a paixão de uma final da Copa Libertadores chegue a qualquer cidade," completou o presidente da entidade. 

Anunciada na última terça-feira (27), a final em jogo único não teve boa recepção entre os dirigentes sul-americanos, inclusive entre os representantes da CBF. Na reunião do Comitê Executivo no domingo (2), em Bogotá, na Colômbia, mais indefinição. E com discussões entre as partes, o modelo de final que copia a Liga dos Campeões da Europa não foi incluído no pacote que entra em vigor em 2017.

Representada no encontro por Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da Federação Paulista e representante brasileiro no conselho executivo da Conmebol, e Fernando Sarney, membro do comitê executivo da Fifa, a CBF não fala sobre o assunto. No entanto, os brasileiros lideraram críticas e pressão para que a final única não fosse aprovada.

Representantes da CBF e de outras confederações questionaram as questões logísticas e financeiras no caso. A Conmebol, por sua vez, defendia que o evento movimentaria capital durante uma semana na cidade escolhida e poderia bancar os custos. Diante da indefinição, os representantes dos países "venceram" a queda de braço.

O comunicado da Conmebol explica a estrutura da Libertadores de 2017:

- Serão 150 jogos na competição no total.
1- O torneio vai começar na fase pré-classificatória, a conhecida pré-Libertadores, onde 16 times se enfrentarão em jogos de ida e volta (24 jogos no total e 4 classificados para a fase de grupos);
2- O torneio continua a ter 96 jogos na fase de grupos com 32 times, sendo 28 por classificação direta, o que inclui o campeão das edições anteriores da Libertadores e da Sul-Americana;
3- A fase de mata-mata terá 30 jogos, começando pelas oitavas de final (16 jogos), quartas de final (8 jogos), semifinal (4 jogos) e final (2 jogos), no formato de ida e volta;

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos