Presidente do Corinthians: Lava-Jato não atrapalha venda de naming rights

Do UOL, em São Paulo

  • Rodrigo Coca/Eleven/Estadão Conteúdo

    Roberto de Andrade, porém, reconhece dificuldades com negociação de Arena Corinthians

    Roberto de Andrade, porém, reconhece dificuldades com negociação de Arena Corinthians

O presidente do Corinthians, Roberto de Andrade, não vê risco de envolvimento entre o estádio do clube e a Operação Lava-Jato, o que poderia complicar ainda mais a negociação de venda dos naming rights da construção.

Em março de 2016, o vice-presidente do clube, André Luiz de Oliveira, foi preso em flagrante por porte ilegal de armas. Na ocasião, André Negão – como é conhecido – era suspeito de receber R$ 500 mil em propinas da Odebrecht, empreiteira responsável pela construção da Arena Corinthians.

"Eu não temo nada, muito pelo contrário. Estou à disposição para resolver. Se aconteceu (envolvimento), o Corinthians é vítima", afirmou Roberto de Andrade, em entrevista nesta terça-feira ao canal de TV por assinatura ESPN Brasil.

Segundo o dirigente, o Corinthians contratou o estádio construído pela Odebrecht para a Copa do Mundo. Desta forma, o investimento na construção não teria sido feito pelo Corinthians, mas pela empreiteira – o que isentaria o clube de responsabilidade no orçamento da construção da arena.

"Se isso (envolvimento com a Lava-Jato) acontecer, e eu não posso afirmar, o Corinthians é vítima também. Eu já me pronunciei mais de uma vez, mas vou me pronunciar de novo: eu, Roberto de Andrade, pessoa física, estou à disposição. Eu não fui procurado por ninguém, o Corinthians não foi procurado por ninguém. (André Negão) prestou depoimento, acharam o nome dele em uma lista com um valor, ele negou e foi liberado", explicou.

Roberto de Andrade afirmou que a possibilidade não atrapalha a negociação dos naming rights da Arena Corinthians. Entretanto, admitiu a dificuldade de acertar a venda com alguma empresa – entre outros motivos, pelo momento econômico atual do Brasil.

"Não deu nada errado, mas não conseguimos vender. Você acha que eu não quero vender? O problema não está com o Corinthians; está com as empresas que não querem fazer o investimento", afirmou o presidente do Corinthians.

"Uma empresa que venha colocar o nome no estádio não pode ser uma empresa qualquer; tem que ser uma empresa grande. Não pode ser empresa de varejo (por motivos de rejeição). O problema não está no Corinthians. Eu estou trabalhando nisso desde o primeiro dia que eu cheguei. Nem sei quantas reuniões eu já fiz com interessados", completou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos