Ronaldinho planeja volta aos gramados em 2017 para fechar sua carreira

Do UOL, em São Paulo

  • Ed Mulholland/AFP

Em Roma para um jogo amistoso pela paz com estrelas do futebol, o brasileiro Ronaldinho declarou que ainda pretende continuar jogando futebol profissionalmente, mas já pensa em aposentadoria. Em entrevista publicada pelo jornal "Marca" na terça-feira (11), o meia ex-Barcelona e seleção brasileira comentou seus planos para o futuro.

"Penso em continuar jogando futebol, fazer algo no ano que vem e começar a encerrar minha carreira", declarou o brasileiro.

Ao "As", em conversa publicada nesta quarta (12), o atleta de 36 anos reiterou seu o projeto para o próximo ano e disse não se ver jogando até os 40 anos quando perguntado se pretendia seguir o caminho de Totti, que está em sua temporada de despedida da Roma e já completou a quarta década de vida. O brasileiro também descartou virar treinador: "não é para mim, não gosto."

Ronaldinho também falou sobre seu estilo de jogo mais alegre, artístico, que não é necessariamente tratado como "competitivo". Ao "Marca", o jogador eleito melhor do mundo duas vezes fez questão de exaltar suas conquistas em clubes – sem mencionar o sucesso pela seleção brasileira.

"Comecei no Grêmio e em 99 conquistei títulos, no PSG o mesmo. No Barça ganhei tudo, no Milan... Fui ao Querétaro e chegamos pela primeira vez na sua história à final. Com o Flamengo, ficamos sete meses sem perder uma partida, depois no Atlético-MG conseguimos sua primeira Copa Libertadores. Acho que fui bem competitivo", declarou o brasileiro.

Parceiro de Messi na sua reta final no Barça, Ronaldinho apostou no argentino como melhor do mundo, mas não o colocou entre os melhores que ele já viu, apontando Ronaldo, Rivaldo, Romário e Roberto Carlos como seus ídolos.

O meia também aproveitou a oportunidade para elogiar o Barcelona e destaca-lo como o clube que ele gosta de assistir – embora tenha admitido que não costuma acompanhar 90 minutos de jogo, mas gols e melhores lances. Comparado a Neymar, ele negou que o atual camisa 11 seja seu sucessor.

"Não. É um amigo que está fazendo história no mesmo clube que eu fiz e que algum dia será o melhor jogador do mundo. Ver ele, Iniesta e Messi jogarem o que estão fazendo, para mim é motivo de grande alegria", concluiu.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos