Acordo de R$ 69 mi com a Globo faz ruir união entre clubes na Primeira Liga

Danilo Lavieri, Guilherme Costa e Marcel Rizzo

Do UOL, em São Paulo

  • MAILSON SANTANA/FLUMINENSE FC

    Fluminense foi campeão da Primeira Liga em 2016

    Fluminense foi campeão da Primeira Liga em 2016

Fundada em setembro de 2015 e constituída com intuito de organizar uma competição paralela aos estaduais, a Primeira Liga atravessa uma grave crise. Atlético-PR e Coritiba já ameaçaram abandonar a disputa, e esses são apenas os casos mais graves de times insatisfeitos com o modelo atual. O cerne dessa cisão entre os participantes é um contrato de R$ 69 milhões com a TV Globo.

O acordo diz respeito à cessão dos direitos de mídia da Primeira Liga durante os próximos três anos (2017, 2018 e 2019). A Globo, única emissora que apresentou proposta, pagará R$ 23 milhões por temporada de vigência do negócio, que é válido para TV fechada e tem possibilidade de exposição em rede aberta – neste ano, no debute do evento, a arrecadação foi de pouco mais de R$ 5 milhões. Originalmente, os dirigentes responsáveis pela competição estimavam vender essas propriedades por algo entre R$ 28 milhões e R$ 30 milhões por edição.

No último sábado (29), o UOL Esporte mostrou que Atlético-PR e Coritiba, insatisfeitos com o atual modelo de divisão de cotas, ameaçam não participar da Primeira Liga em 2017. Em menor escala, outros times também reprovaram o modelo adotado no novo acordo com a TV.

Existe até uma discussão sobre quem propôs o modelo de divisão de cotas da próxima temporada. Executivo ouvido pelo UOL Esporte disse que a Globo aproveitou o modelo usado com os clubes em estaduais e no Campeonato Brasileiro – quando surgiu, a Primeira Liga tinha como um de seus alicerces uma partilha mais equânime da receita de mídia.

Sem licitação, apenas a Globo investiu

A ideia inicial dos responsáveis pelo certame era promover uma licitação aberta para comercializar os direitos e mídia, com separação de TV aberta e fechada. Esporte Interativo e TV Globo foram os grupos que manifestaram interesse pelo conteúdo. Contudo, esse modelo de venda foi abandonado a pedido de clubes, a despeito de resistência na própria diretoria da liga.

Sem concorrência, o Esporte Interativo desistiu de apresentar oferta. Em texto publicado na rede social Facebook, a empresa disse que "sempre demonstrou interesse em adquirir os direitos da Primeira Liga, com a condição de que houvesse um processo justo de licitação aberto a todos os grupos de mídia". Dirigente da Primeira Liga ouvido pelo UOL Esporte admitiu que a falta de concorrência é um dos fatores para a venda não ter atingido o montante almejado inicialmente.

Um executivo que participou das negociações relatou que clubes priorizaram a Globo por razões políticas. Como já têm contratos com a emissora para estaduais e Campeonato Brasileiro, os times preferiram estender a parceria e ganhar poder de barganha nos outros produtos.

Em meio à negociação com a Globo, a Primeira Liga estipulou que a receita advinda da cessão de mídia será dividida em quatro categorias, em ordem de ganhos: uma com o Flamengo, uma segunda com Fluminense, Atlético-MG, Cruzeiro, Grêmio e Internacional, a terceira casta com Atlético-PR e Coritiba, e a última com o restante dos participantes. O modelo foi apresentado em assembleia realizada no dia 20 de outubro, em Belo Horizonte. O Atlético-PR, que não enviou representante, foi o único que não assinou documento de aprovação.

O Coritiba, que até a assembleia assentiu, mudou de posição depois. "O meu vice-presidente chegou a aceitar isso na reunião, mas assim que ele me comunicou eu disse que não toparia. Não vou concordar de maneira alguma. O patrocinador não pode pagar mais ou menos para um ou outro", disse Rogério Bacellar, mandatário da equipe paranaense.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos