Boa frustra torcida do Guarani e zagueiro descontrolado para vencer Série C

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução

    Inconformado com sua expulsão, Ferreira agrediu o árbitro e foi contido pelos colegas

    Inconformado com sua expulsão, Ferreira agrediu o árbitro e foi contido pelos colegas

Não deu para o Guarani. Depois de empatar no Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, o Bugre levou dois gols logo no início do primeiro tempo do jogo de volta, perdeu por 3 a 0 e viu o Boa Esporte conquistar o título da Série C em Varginha neste sábado. O duelo ainda contou com o descontrole do zagueiro Ferreira; expulso por suposta cotovelada em Rodolfo, o beque partiu para cima do árbitro Marcos Mateus Pereira e teve que ser contido pelos próprios colegas de time.

A equipe da casa já contava com a vantagem do 1 a 1 obtido na partida de ida, mas teve que lidar com a forte presença da torcida bugrina no Dilzon Melo, o Melão. Houve um princípio de confusão entre os torcedores e a Polícia Militar, que usou gás de pimenta para contê-los nas arquibancadas, mas o desentendimento não foi além dos minutos que antecederam o jogo.

O Boa fez questão de controlar a posse de bola desde o início, dando pouco espaço ao Guarani. Fellipe Mateus quase abriu o placar para o time mineiro logo no segundo minuto do primeiro tempo, mas só tirou tinta da trave. Braian Samudio, por sua vez, abriu o placar aos nove: Rodolfo invadiu a área e acionou o atacante, que tocou de primeira para o fundo da rede.

A vantagem foi ampliada menos de cinco minutos depois, aos 13. Desta vez, o próprio Fellipe Mateus recebeu de Daniel Cruz e completou para o gol, sem dar chance de defesa ao goleiro Leandro Santos. A comemoração do tento ainda contou com um chinelo atirado em direção ao técnico Marcelo Chamusca, do Guarani. Embora sua torcida entoasse o canto de "time da virada", o Bugre seguia incapaz na construção ofensiva, limitado a conter os avanços do Boa.

Do outro lado, os torcedores mineiros engataram o "olé" já na metade do segundo tempo. A etapa ainda contou com a lenta participação dos gandulas, que demoravam na reposição de bola. Até a Ponte Preta teve o nome cantado na festa mineira - vale lembrar que a grande rival do Guarani teve seu jogo contra o Santos adiado para a manhã deste domingo para evitar confronto com os bugrinos.

A partida ainda foi paralisada nos minutos finais em virtude do uso de sinalizadores da torcida do Guarani. Os artefatos foram rapidamente apagados a pedido do árbitro, mas alguns foram jogados no campo na altura dos 42 minutos. Em sua maioria, os mineiros festejaram com as luzes de seus celulares e iluminaram o terceiro gol do Boa, marcado aos 47 por Kaio Cristian, que havia acabado de entrar no lugar de Fellipe Mateus.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos