Polícia conclui que torcedor do Cruzeiro morreu após descarga elétrica

Enrico Bruno e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Reprodução/Facebook

    Polícia conclui que descarga elétrica causou a morte de Eros no Mineirão

    Polícia conclui que descarga elétrica causou a morte de Eros no Mineirão

A investigação da Polícia Civil de Minas Gerais concluiu que Eros Dátilo Belizardo, 37 anos, torcedor do Cruzeiro, morreu devido a um choque elétrico em tomada de 220 volts, durante a partida entre Cruzeiro e Grêmio, no Mineirão, no dia 26 de outubro.

As imagens de segurança do estádio, divulgados pelos investigadores da Polícia Civil, mostram que o torcedor conversava com um segurança da Minas Arena, consórcio que administra o local, com o intuito de mudar de setor. A intenção de Eros era chegar à parte das cadeiras que abriga a torcida organizada Pavilhão Independente.

Com a passagem negada pelo segurança, o torcedor forçou a passagem e acabou brigando com o mesmo. Durante a disputa, Eros esbarrou em uma lanterna que carregava em uma tomada de 220 volts, o que ocasionou o choque. Ele teve seis paradas cardíacas antes de morrer, a caminho do Hospital Odilon Behrens.

"Para que haja um crime, é necessário que haja culpa, um ato convicto. Como ocorreu um fato fortuito, isso exclui a culpa. Se a culpa é um dos elementos da conduta, se não há conduta, não há crime", disse o delegado Luiz Otávio Mattosinhos.

O delegado incumbido das investigações garante que não houve o mata-leão relatado em depoimento pela cuidadora de idosos Alessandra Luciana de Abreu, amiga de Eros.

"Os elementos que nós temos no inquérito policial não chegam a essa conclusão não. A Alessandra estava muito envolvida emocionalmente, ela é amiga do Eros. Isso pode ter muita influência na narrativa dela. Foi um choque elétrico", concluiu Mattosinhos.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos