Chapecoense faz teste e espera receber 100 mil pessoas em velório coletivo

Bruno Freitas, Danilo Lavieri, Felipe Vita e Luiza Oliveira

Do UOL, em Chapecó (SC)

A Chapecoense, a Polícia Militar, a Polícia Rodoviária Federal, a Prefeitura de Chapecó e o Governo de Santa Catarina fizeram, nesta quarta-feira (30), uma simulação de como será feito o velório das vítimas do trágico acidente aéreo na madrugada da última terça-feira, na Colômbia.

A expectativa da organização é que 100 mil pessoas compareçam na Arena Condá para prestar a última homenagem aos atletas, dirigentes, membros da comissão técnica e jornalistas vítimas na tragédia. O evento deve acontecer na sexta-feira, mas depende da liberação dos corpos.

A intenção do time é que todos sejam primeiramente velados no gramado e, em seguida, sejam liberados para o enterro em suas respectivas cidades de origem.

"Não podemos confirmar quando o velório será feito porque dependemos da liberação dos corpos. Mas isso está sendo feito de maneira muito rápida e diria que a tendência é que o velório aconteça na sexta-feira. A nossa intenção é que todos os envolvidos, inclusive os jornalistas, sejam homenageados aqui no gramado, mas vamos respeitar a preferência dos familiares", explicou o vice-presidente do Conselho Deliberativo, Gelson Dalla Costa.

De acordo com o teste feito nesta quarta-feira, até quatro caminhões farão o trajeto de 45 minutos dos caixões (que estarão lacrados) entre o aeroporto e o estádio. Tudo será acompanhado por autoridades que também fecharão as vias.

No gramado, os caixões ficarão em tendas e ficarão alinhados de uma forma que os torcedores consigam transitar entre eles para dar o último adeus. A princípio, não será permitido que os torcedores parem em frente aos caixões para evitar tumulto. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos