Vídeo colombiano mostra últimas ações de voo da Chape; Bolívia investiga

Dani Blaschkauer

Do UOL, em São Paulo*

Em imagem do Centro de Controle da Aeronáutica da Colômbia é possível notar que o voo que levava a delegação da Chapecoense e jornalistas deu duas voltas e reduziu bem a sua velocidade antes de cair e matar 71 pessoas na madrugada de terça-feira, perto de Medellín, na Colômbia.

No vídeo acima é possível notar, conforme foi revelado anteriormente, voos que estavam perto e que o LaMia reduziu bem a sua velocidade antes da tragédia.

No último dia 30, as autoridades colombianas confirmaram que o avião voava com menos combustível do que mínimo exigido pela lei. O órgão que avalia as causas do acidente explicou que trabalha com a teoria de que a "pane seca" deu origem ao problema elétrico que acabou por derrubar a aeronave.

As conclusões preliminares apresentadas à imprensa partem da constatação de que não havia combustível nos destroços e da gravação das conversas entre a torre de controle e o avião da operadora boliviana Lamia (veja abaixo).

 

 

Investigação na Bolívia

O ministro de Obras Públicas da Bolívia, Milton Claros, disse neste domingo que o governo encontra indícios de descumprimento de deveres e de tráfico de influência na fiscalização à companhia aérea LaMia e à preparação para o voo da Chapecoense que caiu perto de Medellín e deixou 71 mortos.

"Encontramos indícios de possíveis descumprimentos de deveres, descumprimento de controle interno e, possivelmente, uso indevido de influências", disse o ministro em entrevista ao canal de televisão estatal.

As suspeitas se baseiam na relação de parentesco entre um ex-diretor da Direção Geral da Aeronáutica Civil (DGAC) e o diretor-geral da LaMia, Gustavo Vargas Villegas e Gustavo Vargas Gamboa, filho e pai.

Vargas Villegas, que já deixou o cargo, era diretor do registro nacional da DGAC, e portanto era responsável por conceder licenças de voo às empresas.

Claros lembrou que o Ministério de Obras Públicas - encarregado do transporte aéreo - investiga a regularidade do processo pelo qual a LaMia obteve sua licença de voo e também a autorização do plano de voo do avião acidentado.

As autoridades definiram um prazo de dez dias para concluir a investigação. O Ministério abriu processo contra a companhia aérea e alguns funcionários, afirmou Claros.

Na opinião do ministro, o comportamento de alguns funcionários da DGAC e da Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea (AASANA) requer punições drásticas. "É um tema penal. Infelizmente mais de 70 pessoas foram sacrificadas por uma inação, uma irresponsabilidade ao cumprimento da legislação", opinou.

Claros acrescentou que o Ministério se dispõe a realizar auditorias, não só da LaMia, mas também de outras companhias que operam voos charter, âmbito no qual a empresa era especializada.

O ministro detalhou ainda que DGAC e AASANA, cujos diretórios foram suspensos para não haver intervenção na investigação, são organismos autônomos e descentralizados, mas também prometeu aumentar a fiscalização por parte do Ministério.

(*) com informações da EFE

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos