Discurso da Chape contra imunidade à queda assusta times que fizeram ofício

Danilo Lavieri

Do UOL, em Chapecó (SC)

  • Bruno Freitas/UOL

    Ivan Tozzo, presidente da Chapecoense, foi contra a ajuda

    Ivan Tozzo, presidente da Chapecoense, foi contra a ajuda

A atitude de Ivan Tozzo, presidente da Chapecoense, de chamar de "grande besteira" o projeto que não permitiria o rebaixamento da equipe nos próximos três anos pegou os organizadores da iniciativa de surpresa.

Ao UOL Esporte, os clubes envolvidos no ofício relataram não entender o discurso do cartola, especialmente pelo departamento jurídico da equipe de Santa Catarina estar participando ativamente das conversas ao lado de Palmeiras, Santos, São Paulo, Joinville, Fluminense, Coritiba, Internacional, e Atlético-MG. O Corinthians também assinaria o documento caso a atitude fosse levada à frente.

A ideia nasceu horas depois do acidente e serviria para dar tempo à Chapecoense para reconstruir uma equipe. O time de Chapecó é o mais jovem da Série A e o que menos recebe de patrocínios e direitos de transmissão.

Em um primeiro momento, a diretoria da Chapecoense havia se mostrado favorável à ideia, mas foi persuadida pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol) a desistir e até a discursar contra.

Após o acidente, clube e federação conversaram bastante e passaram a afinar as ideias. Não foram poucas as vezes em que Tozzo elogiou Marco Polo Del Nero e a CBF.

Depois de dias de conversa, a entidade se comprometeu a ajudar o clube com R$ 5 milhões, além de organizar um amistoso entre a seleção brasileira e a colombiana que teria seus fundos revertidos para as famílias das vítimas.

O anúncio da ajuda, aliás, ocorreu no mesmo dia em que Tozzo usou os microfones para vociferar contra a ideia.

"Isso não veio da CBF, não veio de ninguém oficial. A gente acha que isso é uma grande de uma besteira. Não existe. Quer a vaga? Joga no campo e garante. Eu posso te dar certeza que não existe essa regra", afirmou na entrevista.

Poucas horas depois, o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, mostrou afinação com o discurso e disse no programa Bem Amigos, do Sportv, que a atitude daria à Chapecoense um aspecto de "café com leite".

A principal preocupação da CBF, inclusive na hora das homenagens à equipe de Santa Catarina, tem sido com qualquer atitude que dê margem para o campeonato ter interferência dos tribunais.

Ainda assim, como mostrou o Blog do Rodrigo Mattos, os clubes teriam autonomia para validar tal formato caso optassem por isso.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos