Caso Heverton, que rebaixou Lusa no Brasileirão-2013, é arquivado de vez

Aiuri Rebello

Do UOL, em São Paulo

  • Simon Plestenjak/UOL

    Héverton comemora após marcar para a Portuguesa contra o Goiás pelo Brasileirão de 2013: escalação errada provou rebaixamento da equipe.

    Héverton comemora após marcar para a Portuguesa contra o Goiás pelo Brasileirão de 2013: escalação errada provou rebaixamento da equipe.

Muito se falou, acusações foram feitas e investigações foram abertas mas, três anos depois, o "caso Héverton" está oficialmente encerrado. O procedimento aberto pelo MP-SP (Ministério Público de São Paulo) para apurar suspeitas de que foi de propósito a escalação irregular do meia da Portuguesa contra o Grêmio pela última rodada do Campeonato Brasileiro de 2013 -- fato que provou o rebaixamento da Lusa para a série B no ano seguinte -- foi arquivada definitivamente sem apontar nenhum culpado.

A suspeita, que não foi confirmada, era de que alguém da Portuguesa ou ligado ao time teria cometido o erro em troca de dinheiro para fazer com que o clube fosse rebaixado. Com a queda da Lusa, o Flamengo terminou o campeonato na 16ª posição, por conta da punição a André Santos em um caso semelhante ao de Héverton, e o Fluminense, que em campo terminou na zona de rebaixamento, subiu para a 15ª posição.

Na última rodada do Campeonato Brasileiro de 2013, em jogo contra o Grêmio, a Portuguesa mandou a campo no segundo tempo o meia, que havia sido suspenso pelo STJD dois dias antes. A escalação irregular resultou em perda de quatro pontos e no consequente rebaixamento do clube para a Série B em 2014.

No MP-SP o promotor do caso, Roberto Senise Lisboa, não encontrou evidências suficientes para prosseguir com as investigações e finalizou sua parte. Ele então remeteu o caso para o Gaeco (grupo de investigação e combate ao crime organizado do MP), que em dezembro do ano passado encerrou as investigações, novamente sem nenhuma conclusão.

O caso foi mandado de volta para o promotor, que pouco antes havia sido afastado por suspeitas de corrupção (em agosto deste ano, ele virou réu e aguarda julgamento acusa acusado de receber propina). A apuração sobre a suspeita na Portuguesa então  foi encaminhada para a promotora Liliana Mercadante Mortari, que finalmente decretou o fim do caso no dia 24 de agosto.

"Não houve provas suficientes que levassem à conclusão da prática de ação ou omissão dolosa no intuito de beneficiar ou prejudicar determinada agremiação esportiva", afirma a promotora em seu despacho de arquivamento. "As provas até então produzidas não indicaram indícios de que funcionários dos clubes envolvidos, ou mesmo terceiras pessoas, tenham contribuído ou sido coniventes com atos supostamente ilícitos, ou mesmo negligenciado de forma fraudulenta, imbuídos de interesses financeiros escusos", diz o documento do MP.

A promotora nota ainda que no Rio de Janeiro, uma Ação Civil Pública proposta pelo MP na época para averiguar o caso não foi aceita pela 2ª Vara Civil da Justiça carioca. Assim, o caso foi arquivado quatro vezes.

"Caso Héverton" foi início da decadência vivida pela Portuguesa até hoje

Desde 2013, a Portuguesa não parou mais de cair. Voltou à segunda divisão do Campeonato Paulista em 2014, ano em que também desceu à Série C do Campeonato Brasileiro. Neste ano, a Lusa foi rebaixada para a quarta divisão, a última do Brasileirão, e segue na segunda do Paulista.

Fora isso, o clube vive uma fase dramática também fora de campo. Após o rebaixamento, técnico e dois presidentes renunciaram, e o time ficou à deriva. Um jogador do elenco foi flagrado torcendo para o São Paulo no estádio do Morumbi, um jogador da base foi encontrado morto na piscina e o estádio do Canindé foi interditado e levado a leilão (não apareceu comprador). A renda de bilheteria é confiscada todo jogo por causa de dívidas trabalhistas, o clube chegou a ser suspenso do Paulista por falta de pagamento de taxas de arbitragem e atraso de salários e falta de condições de trabalho (teve dia este ano que faltou até almoço no refeitório dos atletas) viraram rotina.

No início dezembro, o jornalista Alexandre de barros foi eleito presidente da Portuguesa, e sua primeira medida de impacto para tentar reverter a curva descendente do clube foi anunciar Emerson Leão como diretor de futebol e Tuca Guimarães como técnico para a temporada de 2017.

Héverton não se firmou em nenhum clube depois do episódio do rebaixamento em 2013. Saiu da Lusa e nas temporadas seguintes defendeu Paysandu, Brasília e Caxias. Neste ano, Héverton jogou pelo XV de Piracicaba.

Em entrevista ao SporTV em abril deste ano, o meia lamentou o caso e pediu desculpas aos torcedores da Portuguesa. "Me sinto culpado porque aconteceu comigo. Queria pedir perdão pelo que causei naquele momento para o clube. Mas pode ter certeza que jamais foi de sacanagem ou premeditado."

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos