Por que preparador que 'afinou' Ronaldo é esperança corintiana para 2017

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

  • Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

    Walmir Cruz com Ronaldo no Corinthians em 2009: de volta

    Walmir Cruz com Ronaldo no Corinthians em 2009: de volta

O desmanche de 2016 no Corinthians não consumiu apenas jogadores, mas também desmontou aquilo que o clube tinha como um de seus pontos chave: a comissão técnica. Por isso, na planilha de prioridades do gerente de futebol Alessandro, reconstruir essa estrutura profissional é uma necessidade clara para a temporada que se inicia em breve.

Duas providências foram tomadas após a efetivação de Fábio Carille como treinador: as contratações do auxiliar técnico Leandro 'Cuca' da Silva e do preparador físico Walmir Cruz. A importância de ambos para a temporada 2017 é maior do que se pode imaginar, em especial de Walmir. 

Internamente, a pouca mobilização dentro da comissão técnica foi razão de críticas dentro do CT Joaquim Grava na reta final do Brasileirão 2016. Alguns membros do corpo de profissionais saíram de férias antes da conclusão do torneio, em razão do adiamento da última rodada. A sensação de alguns jogadores e funcionários é de que faltou foco no objetivo de Copa Libertadores para a partida contra o Cruzeiro. 

Depois da breve passagem de Ricardo Henriques, preparador levado por Oswaldo de Oliveira, Walmir Cruz assume a parte física e também o comando do grupo de atletas. Dentro do organograma de trabalho de Tite, era Fábio Mahseredjian, o preparador dos últimos anos, aquele com maior ascendência sobre jogadores e outros membros da comissão. Quem trabalhou com Walmir identifica nele a capacidade de exercer um papel semelhante.

"São perfis muito parecidos", conta Carille a respeito de seu novo preparador e de Mahseredjian, hoje integralmente na seleção. "Posso falar tranquilamente porque trabalhei com os dois. O Fábio lida muito bem com o grupo e o grupo sabe respeitar bem ele. O Walmir também. Quando cheguei aqui, a gente tinha um grupo experiente, de William, Ronaldo, entre outros, e ele levou todos muito bem. Fiz essa escolha também baseado no relacionamento dele com atletas", acrescenta o novo treinador ao UOL Esporte

Missão de Walmir Cruz também é recuperar o comando dos atletas 

À reportagem, Walmir relembra que extrair o melhor de Ronaldo em 2009 é seu melhor cartão de visitas. "Todos diziam que ele não tinha condição, pela idade, pelo peso, e conversamos com ele, acertamos um ponto legal de confiança e ele rendeu o suficiente. Foi o cara de 2009 e 2010", recorda o profissional com passagens por Palmeiras, Atlético-MG, que estava no Ceará e que também já trabalhou no Santos - em 1998, com Mahseredjian como seu fisiologista. 

"Ajudei o Fábio a sair do laboratório para ir ao campo comigo. É uma metodologia que se deu continuidade, com as virtudes e competência dele. Como a gente tem vasta experiência no futebol, com o tempo adquire a coisa de no olhar ver o que o atleta está precisando ou querendo. A ascendência sobre o grupo não é forçada, não é imposta, é conversada. Qualquer ser humano, se cai em uma rotina onde se impõe, fica chato", comentou. 
 
Recuperar o comando dos atletas e extrair o melhor de cada um é o maior desafio de Walmir para transformar o que, em várias avaliações, faltou à equipe do ano passado. Na passagem anterior pelo Corinthians, Walmir Cruz foi demitido a pedido de Mano Menezes após a eliminação para o Flamengo na Copa Libertadores 2010. "Não cabe a mim mexer em páginas viradas, o mais legal foi ser convidado novamente a voltar", diz. 

Novo auxiliar jogou em seis clubes diferentes com Carille
 
Divulgação
Leandro da Silva, mais conhecido como Cuca: novo auxiliar do Corinthians

Os dois períodos em que Fábio Carille comandou o Corinthians - antes e depois de Cristóvão Borges - foram marcados por espécie de solidão. Cléber Xavier e Matheus Bachi foram com Tite à seleção, e Carille teve apenas o auxiliar Fernando Lázaro, chefe da análise de desempenho, como escudeiro. A falta de profissionais fez até com que Mauro da Silva, observador técnico, fosse a campo para participar de treinamentos. Por isso, o reforço de Leandro da Silva, mais conhecido como Cuca. 

Ele foi indicado justamente por Fábio Carille, de quem é amigo pessoal e com quem jogou em seis clubes diferentes. "Em 2001, estivemos juntos no Juventus e amadureceu a ideia de criarmos uma comissão. Seguimos caminhos diferentes, mas as ideias de jogar batiam. Ele fez estágios no Corinthians. Conheço muito bem, é da minha confiança e ele também se preparou para esse momento. Somos abençoados", conta o treinador. 

"Ele tem uma linha de trabalho bem definida", explica Cuca. "Vou procurar também o que tenho em mente e se encaixa no que ele pensa. Vamos otimizar o que ele tem de bom. O clube já tem uma base, vamos fazer ela funcionar em termos coletivos. Quando o Fábio assumiu, acompanhei tudo para poder trocar ideias com ele. Na passagem como treinador, ele conseguiu ter uma defesa sólida, equilíbrio entre os setores, colocou o que ele pensa", diz. 

Leandro da Silva passou por J Malucelli-PR, Rio Branco-PR, Volta Redonda, Paraná Clube, Figueirense e estava no Vila Nova. Além dele, Carille terá reforço na comissão técnica de 2017 após a Copa São Paulo: o treinador Osmar Loss sai do Sub-20 para o profissional com missões claras de dar maior corpo à equipe e auxiliar na afirmação dos jovens jogadores.

Quer receber notícias do Corinthians de graça pelo Facebook Messenger? Clique AQUI e siga as instruções.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos