Brasileiro pioneiro na China ganhava por ano o que Tevez embolsará em 1 dia

Bruno Freitas

Do UOL, em São Paulo

  • Arquivo pessoal

    Marcelo Marmelo integrou a primeira leva de brasileiros no futebol da China, nos anos 90

    Marcelo Marmelo integrou a primeira leva de brasileiros no futebol da China, nos anos 90

Hoje em dia, os milhões oferecidos pelos times chineses ajudam a convencer craques a encarar o desconhecido no ascendente futebol local. A promessa de bolso cheio é o principal argumento para atrair nomes como Tevez e Hulk a um país de cultura tão diferente e a uma liga ainda sem projeção internacional. Mas, houve uma época em que a aventura chinesa era movida a apenas alguns milhares de dólares. Eram tempos de desbravadores, como Marcelo Marmelo da Silva.

O meia-atacante Marmelo fez parte da primeira leva de brasileiros a jogar no futebol da China, em 1995, numa época de abertura à profissionalização. O antigo jogador do Bonsucesso, clube do Rio de Janeiro, permaneceu oito temporadas no Sichuan Quanxing e conseguia lucrar até US$ 100 mil por ano, em caso de êxito esportivo e consequentes bonificações.

Mas, duas décadas depois, as cifras são bem diferentes. Nos últimos dias de 2016, o argentino Carlos Tevez acertou contrato para defender o Shangai Greenland Shenhua, onde ganhará cerca de R$ 260 milhões em um contrato de duas temporadas. Desta forma, o ídolo do Boca Juniors se torna o jogador mais bem pago do mundo. Para efeito de comparação, em uma conta simples e arredondada, Carlitos embolsará o antigo salário anual de Marmelo em apenas 24 horas.

Aos 44 anos, Marmelo hoje leva uma vida tranquila em Cabo Frio. Distante do futebol, o ex-jogador revela orgulho de ter participado da primeira incursão brasileira no mercado chinês.

"Não me sinto enciumado. Fico até feliz, porque vejo que o tempo que a gente ficou lá deu resultado. Levaram a gente como uma experiência, para ver se jogadores brasileiros conseguiam se adaptar, pela distância e pela cultura. Antes levavam só jogadores de países mais próximos, como a Rússia. Como dizem, a gente abriu as portas para brasileiros e até para outros estrangeiros", afirmou Marcelo Marmelo em entrevista ao UOL Esporte.

"Toda hora vem um amigo e fala: 'se fosse hoje, como é que você estaria?'. Eu falo que cada um está na sua geração. Eles estão desfrutando o deles. Eu não esquento a cabeça", acrescentou.

Chineses foram atrás de Jairzinho e encontraram Marmelo

Marmelo interessou aos chineses quando um olheiro do país visitou o Rio de Janeiro, à procura de bons nomes para reforçar o Sichuan Quanxing, em 1995. Atraído pela fama de Jairzinho o estrangeiro foi ao Bonsucesso, onde o herói da Copa de 70 trabalhava como treinador. No modesto clube carioca o visitante acabou recrutando o meia-atacante, além do zagueiro Fabiano e do meia Marcos.

Arquivo pessoal
Marcelo Marmelo (esq.) ao lado dos colegas de time na China, Marcos e Fabiano

Inicialmente o brasileiro viajou à China para jogar apenas quatro meses. No entanto, conseguiu se adaptar e foi permanecendo.

"Não tinha noção de como seria. Nem imaginava que tinha futebol na China. Mas o dinheiro era bom, e a gente decidiu ficar", relatou. "A gente viu que a estrutura prometia e acabamos gostando. O estádio ficava cheio, com gente que amava o futebol, como nós, brasileiros. E com gente chamando o nosso nome", contou.

O trio do Bonsucesso acabou abrindo caminho para nomes mais conhecidos que atuavam no futebol brasileiro, como o ponta Edu Lima (ex-Guarani e Flamengo) e o sérvio Petkovic. No entanto, após a estreia da China em Copas do Mundo, em 2002, o país viveu uma crise no esporte, em razão de um escândalo de manipulação de resultados. Assim, a primeira onda de estrangeiros nos times locais acabou arrefecida. Mesmo assim, Marmelo aproveitou ao máximo a experiência como um atleta de destaque no país.  

"A gente não podia sair na rua que era abordado. Pediam para tirar foto, pediam autógrafo. A gente não estava acostumado com isso, jogava em time pequeno no Brasil. Claro que era uma coisa que a gente almejava. Inicialmente ficavam só olhando quando a gente ia a restaurantes. Mas quando o primeiro levantava já começava aquele tumulto. A gente até precisava sair do local, por causa da aglomeração", descreveu, sobre a notoriedade na Ásia.

Os "chineses" no top 20 dos mais bem pagos do mundo

Divulgação

Os clubes da Super Liga chinesa gastaram mais de 400 milhões de euros na compra de jogadores em 2016, reflexo do desejo do governo local em transformar o país em uma potência do futebol até 2050. Atualmente, seis dos 20 atletas mais bem pagos do mundo na atualidade atuam por lá.

1. Carlos Tevez - Shangai Shenhua
R$ 2,4 milhões por semana
(é agora o jogador mais bem pago do planeta)

2. Oscar - Shangai SIPG
R$ 1,6 milhão por semana

6. Hulk - Shangai SIPG
R$ 1,2 milhão por semana 

8. Graziano Pelle - Shandong Luneng
R$ 1,1 milhão por semana
(é o jogador italiano mais bem pago da história)

15. Asamoah Gyan - Shangai SIPG
R$ 913 mil por semana

16. Ezequiel Lavezzi - Hebei Fortune
R$ 884 mil por semana 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos