Guerra explica acerto com Palmeiras: "passo à frente"

Do UOL, em São Paulo

  • Fernando Vergara/AP

O meia-atacante Guerra não vê a hora de vestir a camisa do Palmeiras e corresponder à altura a confiança depositada pelo clube que o contratou pelos próximos três anos. Campeão da Libertadores pelo Atlético Nacional, o jogador admitiu que não foi uma decisão fácil deixar a Colômbia, mas sentia que era o momento de dar um passo adiante na carreira.

"Falei com a minha família, foi uma decisão difícil pois peguei com carinho com cidade, com o povo, fiz bons companheiros e tenho ótima relação com a comissão técnica. Mas penso que neste momento é hora de dar um passo e experimentar um novo desafio. Estou preparado para dar este passo e desafio. Não foi fácil, vivi tantas alegrias no Atlético e estar fora do clube que fez meu nome na América do Sul é difícil, mas faz parte do trabalho", afirmou o jogador à rádio Caracol.

"Tenho um desafio difícil, pois o Palmeiras é um clube grande no Brasil. Espero que aconteça o melhor.  Hoje vejo o futebol brasileiro como um futebol de muita marcação e duro", completou.

Guerra, de 31 anos, ainda não tem data para chegar ao Brasil, mas planeja viajar ao país entre os dias 10 e 15 de janeiro para se apresentar e dar início a preparação para o início da temporada.

O jogador que também chegou a negociar com o Santos contou porque optou em defender o Palmeiras.

"Eu estive em contato com a direção do Santos. O Jonathan (Copete) se comunicou comigo. Disseram que estava interessado mas não me reuni pessoalmente, foram só alguns contatos por telefone com o Santos. Pedi para falarem com meu representante e o clube, mas não deu. O Palmeiras fez uma oferta mais séria. O clube estava interessado há muito tempo e foi quem colocou mais empenho. Mas foi uma negociação demorada até que houvesse o acordo", contou o jogador.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos