Atlético-PR dá prazo de tolerância a meio-campista acusado de assassinato

Napoleão de Almeida

Colaboração do UOL, em São Paulo

  • Divulgação

    Luciano Cabral é acusado de assassinato na Argentina

    Luciano Cabral é acusado de assassinato na Argentina

Com reapresentação e exames médicos marcados para essa quinta-feira (12), o Atlético Paranaense não receberá entre seus atletas com contrato o meia Luciano Cabral, detido na Argentina para prestar esclarecimentos sobre um assassinato. Apesar do caso estar se desenrolando desde o dia 1 deste ano, o Furacão irá aguardar uma clara definição da Justiça Argentina antes de decidir se rescinde ou não o contrato do jogador, emprestado com prioridade de compra pelo Argentinos Juniors.

"Ainda é precoce (falar em rescindir contrato). A gente precisa saber qual o encaminhamento disso. Vamos ter que aguardar a legislação e ver como vamos fazer com isso", contou o presidente do clube, Luiz Sallim Emed. O advogado de Cabral, Gustavo Nadic, é quem tem mantido contatos com o Atlético. "Temos algumas dificuldades de contato, estamos acompanhando a distância. Estão tentando pagar uma fiança pra responder em liberdade. Está difícil, a gente não sabe os principais motivos de não terem o liberado ainda", afirmou Sallim, que disse ainda que o departamento jurídico está analisando as hipóteses e acompanhando o caso diretamente do Brasil, sem nenhum representante em Mendoza.

Acusações graves

Contra Cabral, pesa a acusação do assassinato de Joan Villegas, morto com golpes de pedra na cabeça no dia 1 de janeiro. O pai do atleta, Juan Oscar, foi preso no dia seguinte, junto a um rapaz menor de idade. Dias depois, ao se apresentar acompanhado de um advogado, Luciano Cabral foi detido pela polícia e permanece em cárcere, com o pedido de fiança ainda não aceito pela Justiça Argentina.

Nesta quarta, muros da região onde o crime ocorreu amanheceram pichados com acusações contra o jogador, em General Alvear, em Mendoza. Através das redes sociais, a mãe da vítima tem feito postagens acusando nominalmente o jogador de ser o executor do crime, enquanto pede para que "a justiça ignore o dinheiro dele". O advogado de Cabral, por sua vez, declarou publicamente que o caso ganhou proporções por se tratar de "um atleta com prestigio internacional", enquanto reafirmou acreditar na inocência dele.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos