Baixa procura: CBF aposta em convocação para "bombar" ingressos de amistoso

Pedro Ivo Almeida e Rodrigo Mattos

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Divulgação/Botafogo F.R.

Apesar de toda a comoção com a tragédia aérea envolvendo a Chapecoense que vitimou 71 pessoas de maneira fatal, a busca por ingressos para o amistoso beneficente da próxima quarta-feira (25) ainda não reflete esse espírito.

A CBF, organizadora do Brasil x Colômbia que destinará toda a renda para os familiares, mostra certa preocupação com os milhares de bilhetes ainda não vendidos.

Até o início da manhã desta quinta (19), o número era considerado fraco: apenas cinco mil entradas tinham sido vendidas. Além disso, a categoria "ingresso solidário", criada para que pessoas que não estejam no Rio de Janeiro na data da partida do Engenhão colaborassem, não emplacou.

Diretor de competições da Confederação e organizador do amistoso, Manoel Flores minimizou o caso e apostou em um novo cenário das vendas a partir desta quinta-feira.

"Procuramos enxergar como um movimento normal. A nossa aposta é que as vendas decolem agora, após essa convocação de hoje [quinta]. O público começa a se interessar", explicou o dirigente.

R$ 4 milhões como objetivo

Nas avaliações da CBF, a ideia é que o montante a ser destinado para os familiares chegue aos R$ 4 milhões. A renda planejada, no entanto, ainda está longe de ser alcançada.

Inicialmente, a Confederação planejava realizar o jogo no Maracanã e tornar essa renda ainda maior. No entanto, o impasse sobre o controle do principal estádio carioca e o estágio atual de abandono do local levaram o amistoso para o Engenhão. A carga total de ingressos na casa do Botafogo será de pouco mais de 40 mil bilhetes.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos