Renato cobra reforços e repete 2011 no Grêmio: "Deixei mastigadinho"

Do UOL, em Porto Alegre

  • Lucas Uebel/Divulgação Grêmio

    Treinador disse que espera por "um ou dois tiros" do clube no mercado

    Treinador disse que espera por "um ou dois tiros" do clube no mercado

O ano é 2017, mas parece 2011. Na primeira entrevista da atual temporada, Renato Gaúcho reviveu um episódio de outra passagem pelo Grêmio. Nesta sexta-feira (20), o treinador cobrou mais reforços da diretoria e usou a expressão "tudo mastigadinho" ao falar de uma lista com alvos desejados. O técnico ainda disse que espera por "um ou dois tiros" do Tricolor no mercado da bola.

Um dia antes, Pedro Geromel também cobrou reforços da diretoria. Um dos líderes do grupo, o zagueiro citou o primeiro semestre de 2016 como exemplo para solicitar mais contratações.

"Foi muito bom manter a base do grupo do ano passado. Quanto aos reforços, eu deixei mastigadinho sim, novamente. Deixei uma lista de jogadores para a diretoria contratar e sai de férias. Mas a diretoria até correu atrás, o problema é que esbarrou na parte financeira", disse Renato.

Em 2011, Renato Gaúcho também soltou a mesma frase. A resposta de agora, aliás, foi justamente após uma pergunta que recordava a expressão e a atuação do treinador em busca de reforços.

"Eu queria ter grandes estrelas, mas se não for possível vamos trabalhar com o grupo que temos. E repito, nosso grupo é muito bom. Por exemplo, nós temos três zagueiros. Precisamos trazer. Eu tenho conversado diariamente com o Odorico. O Grêmio não está desesperado para trazer jogadores, se der vamos dar um ou dois tiros muito bons", declarou o treinador.

Até agora, o Grêmio contratou o volante Michel, ex-Atlético-GO, os laterais Leonardo e Léo Moura, egressos de Boa Esporte e Santa Cruz, e o atacante Jael, ex-Joinville. Beto da Silva, do PSV, já está em Porto Alegre e será anunciado nas próximas horas como o quinto reforço.

"Alguns teriam que vir para compor o grupo. Todos tiveram meu aval, a não ser o Beto. A diretoria pediu para eu assinar embaixo e eu assinei, ele é a diretoria que está trazendo", afirmou Renato Gaúcho. "Espero que ele chegue e possa render, ajudar, em todos os sentidos", completou depois.

Em mais de um momento, a expressão foi usada. E a citação as limitações financeiras também.

"Eu queria o Cristiano Ronaldo, o Neymar, o Messi. Mas não dá (...) Não adianta eu deixar lista, deixar tudo mastigadinho, se não tem dinheiro. Eu acho que o Grêmio tem menos dinheiro que um ou outro clube. De repente foi por isso que não contratou A, B ou C. Não vou citar os nomes que deixei com a diretoria. Os nomes estão la, eu gostaria de contar com esses jogadores. Mas entendo a situação", reiterou.


 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos