Nacional-URU descarta e Coritiba pode anunciar Ronaldinho até terça

Napoleão de Almeida

Colaboração para o UOL, em Curitiba (PR)

Jogar no Coritiba ou ficar sem clube e seguir na aposentadoria forçada em jogos amistosos. Essas são as duas opções de Ronaldinho, melhor jogador do Mundo entre 2004 e 05, ao final deste domingo. Muito perto do Coxa – que já até reservou mansão em Curitiba para o meia, Ronaldinho viu o Nacional do Uruguai desistir oficialmente da contratação nesse domingo.

"Se analisou muito na direção, buscaram alternativas por que não estamos falando de qualquer jogador. Mas, por diferentes motivos, especialmente o econômico, o Nacional não está em condições de o contratar, sem patrocínio de alguma empresa é impossível", disse o secretário geral do Nacional, Heber Lambert, em entrevista ao Ovación Digital.

A informação vem de encontro com as últimas novidades de Curitiba, onde tudo segue silente. O Coxa avançou muito nos últimos dias para fechar a contratação de Ronaldinho. Reservou a ele uma mansão no condomínio Alphaville, a cinco minutos de carro do CT Bayard Osna; Juliano Belletti, diretor de relações internacionais do clube e ex-companheiro de Ronaldinho no Barcelona, se encarregou pessoalmente de ser o cicerone – ou babá, para os temerosos – do jogador; ele próprio, Belletti, celebrou em redes sociais o "bom começo" no cargo, no Coritiba. Resta ainda convencer a dois dos cinco presidentes (e vices) de que o negócio é factível.

Dentro da diretoria do Coxa, há resistência quanto à contratação de Ronaldinho. Há os que acreditam que Ronaldinho pode render em campo mais que a média dos atletas na função no Brasil e pode trazer benefícios em mídia e marketing. E há os que duvidam da capacidade do meia enquanto atleta e da própria capacidade do clube rentabilizar a chegada dele, temerosos pela experiência fracassada com Alex, ídolo do clube que preteriu Cruzeiro e Palmeiras para jogar pelo Coxa, e não conseguiu os resultados financeiros esperados.

É o que estará na mesa na reunião de segunda pela manhã. No papel, uma proposta de R$ 300 mil mensais, mais bonificações por acréscimo de público, sócios e venda de camisas e publicidade acima da média atual do clube, e bonificações por metas esportivas atingidas, por assistências, gols, classificações ou títulos no contrato de um ano – prorrogável – a ser assinado. Uma vez batido o martelo entre a diretoria coxa-branca, Ronaldinho e seu empresário e irmão Assis receberão o sim para assinar com o Coxa.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos