Atacante problema já brigou com 7 técnicos, torcida e mídia. E foi afastado

Do UOL, em São Paulo

  • David Ramos/Getty Images

    Orellana já disputou duas Copas pelo Chile, em 2010 e 2014

    Orellana já disputou duas Copas pelo Chile, em 2010 e 2014

Talento e confusão numa proporção parecida. São brigas com vários técnicos, provocação à torcida e greve com a imprensa. Por outro lado, gols e assistências jogam a seu favor. Fabián Orellana é um modelo perfeito de "jogador problema". Com a bola rolando, o atacante chileno faz sua parte. Fora de campo, tira o sono de seus treinadores.

Orellana, de 30 anos e com duas Copas do Mundo no currículo (2010 e 2014), atualmente está afastado pelo Celta. O técnico do time espanhol estourou com mais um ato de indisciplina. "Houve uma falta de respeito inaceitável, no pessoal e no coletivo. Comigo ele não joga mais", determinou Eduardo Berizzo, apoiado pela diretoria.

Berizzo se tornou novo desafeto do atacante e só engrossou a lista de treinadores que já tiveram problema com Orellana. Relação que já não era pequena. Desde o Audax Italiano (CHI), seu primeiro time profissional, ele acumula inimigos.

São sete treinadores cujos problemas se tornaram públicos. Um nos tempos de Audax, dois no Granada (ESP), dois na seleção chilena e mais dois no Celta, sendo Berizzo o último deles.

No Granada, ao mesmo tempo em que se destacou ajudando o time a voltar à elite espanhola depois de 35 anos, acabou com a paciência do técnico Fabriciano González. Os motivos: perfil polêmico e brigas no vestiário. "Você deve respeitar seu trabalho e também o dos demais", disse Fabriciano ao expulsá-lo de um treino. "Respeito todo mundo, mas você é uma má pessoa", retrucou o jogador.

A polêmica fez o clube emprestá-lo ao Celta. E o enredo se repetiu. Orellana brilhou no acesso do Celta com 13 gols e 11 assistências em 33 jogos. Mas também brigou com a torcida, ficou uma temporada sem falar com a imprensa e irritou treinadores, sendo um deles Luis Enrique, atual comandante do Barcelona.

O caso mais recente lhe custou o afastamento definitivo. E não houve pedido de desculpas que o ajudasse. "Já reconheci que cometi um erro, mas fizeram de algo pequeno, algo muito grande. O que aconteceu com Berizzo foi algo pessoal entre nós e ele levou isso para o lado profissional. Quando tentei pedir desculpas a ele na frente de todos, ele não me deixou falar", argumentou o atacante ao portal Emol.

Essa segunda passagem pelo Celta, inclusive, evidencia também seu lado introvertido fora de campo. Para voltar, Orellana contou com o apoio de Iago Aspas e Hugo Mallo, dois jogadores revelados pelo Celta. Mallo é apontado como seu único amigo na Espanha. Um perfil intenso, sem dúvida.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos