Cabecear bolas de futebol repetidas vezes pode causar concussão, diz estudo

Do UOL, em São Paulo

  • Reuters / Benoit Tessier Livepic

    Pesquisa foi realizada com 222 jogadores amadores de futebol

    Pesquisa foi realizada com 222 jogadores amadores de futebol

Uma pesquisa da Academia Americana de Neurologia divulgada nesta quarta-feira (1º) concluiu que cabecear bolas de futebol repetidamente pode ocasionar concussões e até lesões neurais mais graves.

O estudo concluiu que 20% dos atletas submetidos aos testes apresentaram sintomas "de moderado a severo" de concussão após duas semanas de jogo.

Os experimentos foram realizados com 222 jogadores amadores de futebol e publicado no jornal da instituição.

Outra conclusão da pesquisa foi que jogadores que costumam cabecear mais bolas têm três vezes mais chances de sofrer concussões.

Com bases nos dados levantados, cientistas da Escola de Medicina Albert Einstein, de Nova York, que participaram do estudo, apontaram que cerca de seis casos de concussão "grave ou muito grave" devem acontecer por ano com jogadores de futebol.

"Esses resultados mostram que cabecear a bola está sem dúvida relacionado com sintomas de concussão, o que vai de encontro com um estudo recente que sugeriu a maioria das concussões é causada por colisões", afirmou Michael Lipton, responsável pela pesquisa. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos