Má fase mostra que Mané é mais importante que Coutinho no Liverpool

Bruno Doro

Do UOL, em São Paulo

  • Paul Harding/AP Images

Conhece Sadio Mané? O senegalês é um jogador de lado de campo, comprado pelo Liverpool no início da temporada por 41 milhões de euros (R$ 140 milhões). Pode parecer muito, mas não é. Hoje, o atacante é o jogador mais importante do time de Jurgen Klopp. Mais importante, inclusive, que o brasileiro Philippe Coutinho, maior ídolo da torcida vermelha. A má fase atual é prova disso.

O Liverpool já foi o time mais empolgante da temporada na Europa, mas, após um desempenho desastroso em janeiro, está caindo pelas tabelas. Desde a virada do ano, foram nove jogos e só uma vitória. A equipe caiu para o quarto lugar do Campeonato Inglês (a dez pontos do líder Chelsea) e ainda acabou eliminada na Copa da Inglaterra e na Copa da Liga Inglesa.

Mané só perdeu uma vez

Sabe quem não estava com o time em boa parte dessa sequência? Mané. Ele foi convocado por Senegal para disputar a Copa das Nações Africanas e saiu após o primeiro jogo de 2017 (2 a 2 com o Sunderland). Sua seleção chegou até as quartas de final, mas foi eliminada por Camarões, nos pênaltis. Voltou para a Inglaterra no início dessa semana e entrou em campo no último jogo da equipe no mês, 1 a 1 com o Chelsea.

Levando em conta toda a temporada, sua importância só cresce. O Liverpool perdeu seis vezes em 32 jogos. O senegalês só estava em campo em uma dessas derrotas, os 4 a 3 do Bournemouth pelo Campeonato Inglês. Com ele em campo, o aproveitamento de pontos é de 77%. Sem ele, cai para 65%.

Coutinho e Firmino atrás

A comparação com Coutinho vale: o brasileiro, que ficou parado entre dezembro e janeiro, contundido, entrou em campo 21 vezes pelo Liverpool. Venceu apenas 11 vezes. O aproveitamento dos pontos com ele em campo é de apenas 60%. O do outro brasileiro elogiado por público e crítica na temporada, Roberto Firmino, é ainda menor, com 58% (13 vitórias em 27 jogos).

A explicação para a queda sem o senegalês pode ser tática. Quando ele está em campo, o Liverpool joga com um trio de ataque formado, justamente, por Coutinho, Mané e Firmino. O último joga mais centralizado, mas os três trocam constantemente de posição, criando problemas para as defesas rivais. Tanto que o trio estava tendo, até dezembro, quando Firmino se machucou, grandes temporadas individuais.

Janeiro ruim para o trio

Coutinho tinha seis gols e quatro assistências até janeiro. Firmino tinha marcado sete vezes. Mané somava nove gols e quatro assistências. Em janeiro, o trio, no total, só contribuiu com três gols: foram uma assistência (de Coutinho) e dois gols (de Firmino, em um mesmo jogo). Mais uma vez, a explicação é tática.

Quando um deles não joga, Jurgen Klopp usa um centroavante menos móvel na posição, o inglês Sturridge ou o belga Origi. Com isso, perde as opções táticas e os espaços criados pelas trocas de posição. Além disso, os dois que entram em campo ficam mais longe do gol.

A notícia positiva é que, a partir de agora, o Liverpool deve contar com os três até o final do Campeonato Inglês. Resta saber se a sequência sem derrotas de janeiro já acabou com as chances de título do time vermelho do norte da Inglaterra.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos