Ex-zagueiro Gamarra lembra caos no Flamengo: "Tinha briga com todo mundo"

Adriano Wilkson e Vanderlei Lima

Do UOL, em São Paulo

  • Fernando Santos/Folhapress

O ex-zagueiro paraguaio Gamarra deixou sua marca no futebol brasileiro na virada do século passado, quando defendeu alguns dos clubes mais populares do país – Corinthians, Flamengo, Palmeiras e Interacional.

Aos 46 anos, ele é hoje supervisor de futebol do Rubio Ñu, um time da primeira divisão paraguaia, e lembrou em entrevista ao UOL Esporte do período em que viveu no Rio de Janeiro e testemunhou a administração caótica do rubro-negro da época.

"O Flamengo é o maior time do mundo, só que a diretoria naquela época era muito ruim", disse por telefone o ex-atleta, que conquistou a Copa dos Campeões e o Campeonato Carioca de 2001. "Tinha briga com todo o mundo, tinha funcionário que a gente precisava levar um trocado pra voltar de novo no dia seguinte para trabalhar. Muitos não tinham dinheiro para comprar o boleto da lotação. Mas é um time grande que tem uma torcida belíssima, então foi uma experiência muito boa."

Eleito o melhor zagueiro da Copa do Mundo de 1998, quando passou o torneio inteiro, quatro jogos, 383 minutos sem fazer faltas, e campeão brasileiro com o Corinthians, Gamarra se transferiu ao Atlético de Madri, mas não conseguiu repetir o sucesso.

Apesar de lembrar com saudade de seu tempo na capital paulista, Gamarra diz não ter se arrependido da aventura na Europa – ele já tinha jogado em Portugal antes.

"Eu nunca me arrependo das decisões que tomo. Achei que era o momento de sair de novo e ir jogar na Europa. Fiquei com muita saudade porque não é fácil jogar, ganhar os títulos e ir embora. O Corinthians estava bem organizado, arrumadinho, era um bom time, mas eu já tinha firmado o compromisso. Era bom para o Corinthians e bom pra mim."

Ben Radford/Allsport

Dono de uma técnica apurada para um zagueiro, Gamarra sempre disse que o segredo para o sucesso era o bom posicionamento. Mas o que pouca gente suspeita é que o paraguaio começou sua carreira jogando de volante. O responsável pela mudança para a posição que o consagraria foi o técnico Paulo Cesar Carpegiani, que treinou o Cerro Porteño quando Gamarra ainda era uma promessa das categorias de base.

Procurado pela reportagem, Carpegiani disse que percebeu naquele volante "loirinho" todas as qualidades de um ótimo zagueiro.

"Como volante, o Gamarra me chamou atenção", disse o treinador. "Tinha disposição muito grande, mas não tinha a dinâmica de meia. Acabei recuando-o pra zaga porque eu via característica de recuperação de posse de bola, tempo de bola, sem fazer falta...  um jogador clássico. Tinha velocidade também. Depois que abria a passagem, ele era imbatível. A partir dai ele não voltou para o meio campo, ficou como zagueiro definitivo."

Depois do Corinthians e do Flamengo, Gamarra se transferiu para o Palmeiras, não sem antes consultar a diretoria alvinegra sobre a possibilidade de voltar ao Parque São Jorge.

"Eu tinha conversado com o pessoal do Corinthians, mas nessa época o Corinthians não precisava de zagueiro. Como não tinha vaga, o Palmeiras estava interessado e eu não queria ficar parado, resolvi ir", disse ele. No Parque Antártica, Gamarra também não conseguiu repetir os mesmos resultados que teve no arquirrival, embora individualmente tenha sido, aos 34 anos, um dos destaques de um elenco limitado.

Com sua ajuda, o Palmeiras conseguiu ficar em quarto lugar no Brasileiro de 2005 e garantir classificação à Libertadores. "Foi uma época não tão brilhante para o Palmeiras, mas eu joguei todas as partidas muito bem, então pra mim foi bom", disse ele. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos