Chapecoense desmente boato sobre interesse em contratação de goleiro Bruno

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução/TV Globo

    Goleiro Bruno dá entrevista à Rede Globo

    Goleiro Bruno dá entrevista à Rede Globo

Segundo o advogado Lucio Adolfo da Silva, o goleiro Bruno Fernandes, 32, foi procurado por pelo menos nove clubes – dois da Série A do Campeonato Brasileiro, inclusive – desde que obteve liminar no (STF) Superior Tribunal Federal e deixou a Apac (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados) de Santa Luzia (MG), onde estava detido por sequestro, morte e ocultação de cadáver da ex-namorada Eliza Samudio. A Chapecoense, contudo, não faz parte dessa lista. Após ter identificado um boato que vinculava o nome da equipe ao do ex-jogador de Atlético-MG e Flamengo, a diretoria usou a rede social Twitter para desmentir qualquer interesse na contratação.

Bruno deixou a prisão na última sexta-feira (24), após liminar deferida pelo ministro Marco Aurélio Mello no STF. O magistrado permitiu que o jogador recorresse em liberdade da condenação a 22 anos e três meses de detenção.

Atualmente, Bruno tem contrato com o Montes Claros-MG desde 2014. Segundo o BID (Boletim Informativo Diário) da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), o vínculo do goleiro com a equipe mineira vai até 27 de fevereiro de 2019. No entanto, como mostrou o UOL Esporte, o time jamais pagou, nem mesmo em juízo, os salários devidos ao atleta.

O aviso da Chapecoense de que a contratação é impossível animou torcedores. Em resposta ao post da equipe catarinense, a maioria absoluta comemorou a falta de interesse e preferiu exaltar os goleiros que estão no elenco – sobretudo Elias, ex-Juventude.
 

 

O futebol, porém, não é o único ambiente em que Bruno tem causado polêmica. Segundo o jornal "Extra", a presença do jogador no condomínio em que mora, na zona oeste do Rio de Janeiro, já virou motivo de discussão entre vizinhos. Muitos admitiram que o retorno dele não é bem-vindo.

De acordo com o jornal "O Estado de Minas", Bruno também tenta reduzir o valor pago de pensão a Bruninho, filho que teve com Eliza Samudio. O montante estipulado, R$ 22 mil mensais, foi calculado com base no salário que ele recebia antes de ser preso (algo em torno de R$ 150 mil). A alegação dos advogados do atleta é que essa renda não se manteve, e por isso o estafe do jogador tenta calcular quanto sobrou do patrimônio acumulado nos anos de alto nível esportivo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos