Fifa diz que lei anti-imigração pode ameaçar candidatura dos EUA por Copa

Do UOL, em São Paulo

  • Michael Buholzer/AFP

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, afirmou que as medidas anti-imigração colocadas em prática por Donald Trump podem ser um duro golpe na pretensão dos Estados Unidos de sediarem a Copa do Mundo de 2026. O país é favorito para organizar o torneio.

Trump assinou nesta semana um novo decreto que impede a entrada no país de pessoas originárias de seis nações de maioridade islâmica: Irã, Síria, Iêmen, Somália, Sudão e Líbia.

"No que diz respeito às competições da Fifa, qualquer equipe - incluindo os torcedores e oficiais destes times - devem ter acesso ao país. De outro jeito, não há Copa do Mundo. Isso é óbvio", disse Infantino durante evento na Inglaterra.

"Estamos no processo de definir os requisitos de candidatura e eles serão claros. E então cada país poderá tomar sua decisão, se vai querer se candidatar ou não baseado nestas exigências", completou.

"O Sr. Trump é presidente dos Estados Unidos da América e tenho grande respeito pelo que ele faz. Ele está a cargo de tomar as decisões que considera melhor para seu país. É por isso que foi eleito", afirmou Infantino.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos