Jesus e EI: como o Palmeiras já devolveu mais de R$ 40 mi a Paulo Nobre

José Edgar de Matos e Rodrigo Mattos

Do UOL, em São Paulo (SP)

  • Cesar Greco/Ag Palmeiras

    Paulo Nobre ainda possui mais de R$ 60 milhões a receber do Palmeiras

    Paulo Nobre ainda possui mais de R$ 60 milhões a receber do Palmeiras

O Palmeiras diminuiu, nas últimas semanas, boa parte da dívida com o ex-presidente Paulo Nobre. Para devolver R$ 43 milhões ao antigo mandatário, número publicado pelo Blog do Jorge Nicola e confirmado pelo UOL Esporte, o atual campeão brasileiro usou as luvas do acordo com o Esporte Interativo e parte da quantia recebida por Gabriel Jesus.

Segundo apurou o UOL Esporte, o pagamento de mais de R$ 40 milhões a Nobre fez a dívida total diminuir para pouco mais de R$ 60 milhões. Somente de juros, referente aos 10% das receitas mensais, o clube de Palestra Itália economizará mais de R$ 600 mil ao mês graças às receitas extraordinárias recebidas.

Os R$ 40 milhões de luvas do Esporte Interativo, que tem contrato válido com o Palmeiras a partir de 2019, entraram no balanço financeiro do clube neste último mês de janeiro. Grande parte dos R$ 115 mi da venda de Gabriel Jesus ao Manchester City também já se encontram nas contas palestrinas.

De acordo com o atual fluxo de caixa palmeirense, Nobre seguirá recebendo a porcentagem das receitas mensais do Palmeiras. A expectativa, segundo membros do Conselho de Orientação Fiscal, é quitar completamente as dívidas com ex-presidente até o final de 2018 ou 2019.

A atual gestão de Mauricio Galiotte trabalha para diminuir, ainda neste ano, as dívidas do clube. O alto valor do patrocínio com a Crefisa e as receitas elevadas desde o ano passado, especialmente com a bilheteria do Allianz Parque, transmitem confiança para a atual gestão.

Além do acordo em relação ao ganho financeiro palestrino, Nobre ainda possui mais duas maneiras de recuperar o dinheiro investido enquanto presidente. O ex-dirigente pagou do próprio bolso as contratações de Yerry Mina e Róger Guedes, em um total de R$ 14,5 milhões.

Em caso de venda dos dois atletas, Nobre seria ressarcido com o valor gasto anteriormente. Qualquer lucro – Mina, por exemplo, chegou por um acordo de R$ 12 milhões – seria revertido para os cofres palmeirense; o colombiano possui o interesse de clubes do futebol europeu, como Barcelona, que possui prioridade na compra do defensor.

Depois de deixar a presidência palmeirense, Paulo Nobre se afastou do dia a dia do clube. O antigo mandatário possui divergências políticas com o sucessor Maurício Galiotte, especialmente sobre a relação do clube com Leila Pereira, proprietária da Crefisa e recentemente eleita conselheira palmeirense.

Antes da patrocinadora, Nobre investiu dinheiro do próprio bolso para reforçar o Palmeiras. Os gastos alcançaram a casa dos R$ 200 milhões; boa parte deste valor, no entanto, já foi ressarcido, ainda mais depois de repassadas as luvas do Esporte Interativo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos