Rafinha virou trunfo de revolução no Barça. E agora se vê na seleção

João Henrique Marques

Do UOL, em Barcelona

  • Albert Gea/Reuters

Habilidade, criatividade e perna esquerda. Rafinha tem características únicas no elenco do Barcelona que o tornaram vital no novo padrão tático do time. Com sua presença, o esquema 3-4-3 foi consolidado e o deixaram convicto de que uma oportunidade na seleção brasileira é merecida.

O UOL Esporte apurou que o pensamento do jogador é de que a convocação deve acontecer em breve. O pai, Mazinho, ex-volante da seleção brasileira, também o anima com a convicção. Tudo pela maneira como a Rafinha cresceu no Barcelona.|

No ano passado, Dunga chegou a convocar Rafinha para amistosos. Já na seleção sub-23, o meia participou da conquista da medalha de ouro olímpica. No entanto, com Tite ainda não foi chamado.

O desenho tático de Tite na seleção brasileira, com meias abertos, casa com a nova função de Rafinha. Ele se acostumou a jogar como no meio-campo no Barcelona, mas o novo posto é aberto pela direita, quase como um ponta. Como o time passou a jogar sem laterais, o brasileiro é quem ocupa a lateral no setor ofensivo.

"Dá para dizer que o Rafinha possibilita o esquema. André Gomes, Denis Suárez, Iniesta, Arda Turan. Não há uma concorrência na posição. Pode ser o (Jordi) Alba, mas ainda assim não é igual. O Rafinha tem que ficar no time", comentou o comentarista da TV Bein Sports na Espana, Toni Padilla.

"Não é uma novidade o Rafinha jogar comigo. Isso é o que ele sempre soube. Sem duvida alguma que é muito importante neste momento", comentou o treinador do Barça, Luis Enrique.

O relacionamento com Luis Enrique começou em 2010 no Barça B. De lá para cá, o brasileiro só não esteve ao lado do treinador na temporada 2011/2012 – treinou o Roma e Rafinha seguiu no Barça B.  

O reencontro com Luis Enrique aconteceu no Celta de Vigo também por um pedido de contratação feito pelo treinador. Por lá, ele virou titular atuando assim em 27, dos 38 jogos do time no Campeonato Espanhol. Rafinha fez quatro gols.

Rafinha é irmão do meia do Bayern de Munique e da seleção espanhola, Thiago Alcântara. O brasileiro teve a adolescência vivida na Catalunha e formação em La Masia, a consagrada base do Barça. Só que diferentemente do irmão, a raiz espanhola não o fez trocar de seleção, optando assim por defender o Brasil.

O bom moço

Folgas recusadas, uma vida discreta com raras presenças em baladas e a fama de ser viciado em treinamento. Rafinha tem prestígio incomum a um brasileiro no cenário europeu do futebol. No Barcelona, o meia tem moral de sobra pelo comportamento fora de campo.

Mesmo solteiro, Rafinha tem vida social pouco agitada. Nas noitadas com Neymar pouco aparece, e o jantar em família, quase sempre acompanhado de Mazinho, é o programa escolhido em Barcelona.

No pior momento da carreira, em setembro do ano passado, quando rompeu os ligamentos do joelho, Rafinha chegava a passar 8 horas no clube em tratamento.

Além disso, buscou fisioterapia particular para a realização de exercícios em casa. O retorno foi antes do prazo esperado pelos médicos do Barça. Também como prêmio, teve seu contrato renovado com até 2020.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos