Futebol europeu ignora Brasil e aposta em técnicos de Portugal e Argentina

Bruno Doro

Do UOL, em São Paulo

  • EFE/ANDY RAIN

    Diego Simeone, técnico argentino do Atlético de Madri, e José Mourinho, português do Manchester United

    Diego Simeone, técnico argentino do Atlético de Madri, e José Mourinho, português do Manchester United

Os técnicos nascidos no Brasil nunca encontraram mercado aberto no futebol europeu e o cenário não deve mudar, mesmo com o sucesso de Tite no comando da seleção brasileira. Ironicamente, os clubes do velho continente nunca estiveram tão atentos para treinadores nascidos na América do Sul ou que falam português.

Em levantamento feito nas dez ligas mais importantes do futebol europeu atualmente, Portugal é o país que mais exportou técnicos para outros países. São seis nomes trabalhando em clubes estrangeiros, incluindo os vitoriosos José Mourinho (Manchester United) e Leonardo Jardim (Monaco).

A Argentina aparece em segundo lugar, com cinco representantes. O mais marcante, aliás, é o sucesso dos técnicos hermanos: dos cinco representantes, três fazem trabalhos muito elogiados. Diego Simeone foi campeão espanhol e levou o Atlético de Madri a duas finais da Liga dos Campeões. Jorge Sampaoli revolucionou o Sevilla nesta temporada. E Mauricio Pochettino tem um projeto consistente no Tottenham, vice-líder do Campeonato Inglês. Os outros técnicos argentinos são Maurcio Pellegrino, do Alavés, e Eduardo Berizzo, do Celta.

Entre os brasileiros, os trabalhos de maior destaque nos últimos anos foram de Ricardo Gomes. O ex-técnico do São Paulo começou a carreira no banco de reservas no PSG e foi campeão francês da temporada 1997/1998 – ele ainda teve passagens longas por Bordeaux e Monaco.

Mais lembradas, porém, são as passagens de Vanderlei Luxemburgo pelo Real Madrid e Luiz Felipe Scolari pelo Chelsea. O primeiro foi demitido após um ano no comando do time espanhol, enquanto o segundo durou apenas sete meses na equipe londrina. Nenhum conquistou títulos nas equipes europeias.

A situação é diferente da do Uruguai, por exemplo. Atualmente, dois técnicos nascidos por lá trabalham na Europa – mas em clubes menores. Ex-zagueiro, Diego Lopez se aposentou em 2010 e começou a carreira como treinador no Cagliari. Hoje, comanda a Udinese. É uma história parecida com a de Pablo Correa. O ex-atacante se aposentou em 2001 e é técnico do Nancy, da França, desde 2013.

Até mesmo técnicos de países pouco expressivos no cenário mundial, como Islândia (Rúnar Kristinsson, do KSC Lokeren, da Bélgica) e Moldávia (Ivan Danilian, do Rostov, da Rússia), aparecem em frente ao Brasil na lista. Confira os técnicos estrangeiros nas dez maiores ligas da Europa*:

Portugal: 6

José Mourinho (Manchester United/ING), Marco Silva (Hull City/ING), Leonardo Jardim (Monaco/FRA), Sérgio Conceição (Nantes/FRA), Rui Almeida (Bastia/FRA) e Paulo Sousa (Fiorentina/ITA)

Argentina: 5

Mauricio Pochettino (Tottenham Hotspur/ING), Jorge Sampaoli (Sevilla/ESP), Diego Simeone (Atlético de Madri/ESP), Mauricio Pellegrino (Alavés/ESP) e Eduardo Berizzo (Celta/ESP)

Sérvia: 4

Slaven Bilic (West Ham/ING), Petar Vasiljevic (Osasuna/ESP), Sinisa Mihajlovic (Torino/ITA) e Aleksandar Jankovic (Standard Liège/BEL)

Espanha: 4

Pep Guardiola (Manchester City/ING), Unai Emery (Paris Saint-Germain/FRA), Javi Gracia (Rubin Kazan/RUS) e Jordi Condom Aulí (KAS Eupen/BEL)

França: 4

Arsene Wenger (Arsenal/ING), Claude Puel (Southampton/ING), Zinedine Zidane (Real Madrid/ESP) e Karim Belhocine (Kortrijk/BEL)

Holanda: 4

Ronald Koeman (Everton/ING), Andries Jonker (Wolfsburg/ALE), Dick Advocaat (Fenerbahce/TUR) e Albert Stuivenberg (Genk/BEL)

Itália: 4

Antonio Conte (Chelsea/ITA), Walter Mazzarri (Watford/ING), Carlo Ancelotti (Bayern Munich/ALE) e Massimo Carrera (Spartak Moscow/RUS)

Austria: 3

Ralph Hasenhüttl (Leipzig/ALE), Peter Stöger (Colônia/ALE) e Zoran Barisic (Kardemir Karabükspor/TUR)

Croácia: 3

Niko Kovac (Eintracht Frankfurt/ALE), Igor Tudor (Galatasaray/TUR) e Ivan Leko (Sint-Truidense/BEL)

Suíça: 3

Martin Schmidt (Mainz/ALE), Lucien Favre (Nice/FRA) e René Weiler (Anderlecht/BEL)

Alemanha: 2

Jürgen Klopp (Liverpool/ING) e Peter Hyballa (Nijmegen/BEL)

Belarus: 2

Viktor Goncharenko (CSKA/RUS) e Vadim Skripchenko (Krylya Sovetov Samara/RUS)

Romênia: 2

Mircea Lucescu (Zenit/RUS) e Mircea Rednic (Royal Excel Mouscron/BEL)

Uruguai: 2

Diego López (Palermo/ITA) e Pablo Correa (Nancy/FRA)

País de Gales: 2

Tony Pulis (West Bromwich/ING) e Mark Hughes (Stoke City/ING)

Bósnia: 1

Safet Susic (Aytemiz Alanyaspor/TUR)

Escócia: 1

David Moyes (Sunderland/ING)

Grécia: 1

Giannis Anastasiou (Roda/HOL)

Hungria: 1

Pál Dárdai (Hertha/ALE)

Islândia: 1

Rúnar Kristinsson (KSC Lokeren/BEL)

Macedônia: 1

Cedomir Janevski (Waasland-Beveren/BEL)

Moldávia: 1

Ivan Danilian (Rostov/RUS)

República Tcheca: 1

Zdenek Zeman (Pescara/ITA)

Turquia: 1

Tayfun Korkut (Bayer Leverkusen/ALE)

* Levando em conta a primeira divisão de Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Holanda, Inglaterra, Itália, Portugal, Rússia e Turquia. Segunda nacionalidade não foi considerada.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos