Seleção traça novas metas e fará testes para não relaxar com vaga na Rússia

Danilo Lavieri e Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

A classificação assegurada à Copa do Mundo de 2018 cumpre uma etapa para o treinador Tite, mas não deverá diminuir a expectativa nos próximos meses da seleção brasileira. Os objetivos da comissão técnica para os passos seguintes foram transmitidos aos jogadores ainda nos vestiários da Arena Corinthians. 

Tite não abre mão da manutenção de bons resultados nas quatro rodadas finais das Eliminatórias, ainda que tenha admitido abertamente que pretende olhar mais além dos 11 titulares nos próximos meses. No planejamento, ainda há amistosos contra grandes seleções para manter viva uma chama de competitividade dentro do grupo. 

"É bater o martelo firme. Tem que terminar os quatro jogos que faltam jogando bem", advertiu Casemiro. "A crescente é muito boa, todos estão de parabéns. Estamos em uma crescente muito boa, todos estão de parabéns, mas sabemos que na seleção não pode se relaxar. Se jogarmos mal nos próximos dois jogos, voltam as dúvidas, porque o Brasil é isso", concluiu o volante do Real Madrid. 

O coordenador de seleções Edu Gaspar, conhecedor do técnico brasileiro desde os tempos do Corinthians, indicou a tendência para o que vem pela frente. "Agora, consolidando isso (vaga), vai ser pauta de reuniões sobre o que faremos nos quatro jogos. Mas, conhecendo um pouco do Tite, ele gosta de consolidar o trabalho, gosta de ter a equipe preparada, vamos ver como vamos conduzir isso. É o momento de os atletas se conhecerem bem e o Tite passar todas as informações para eles, de nós nos conhecermos cada vez mais ", comentou. 

A preocupação contra a euforia também foi manifestada por Edu. "Depois da vitória em Montevidéu, contra uma seleção forte, que recebe pouquíssimos gols em casa, poderia ser um dia relaxado. Isso mostrou o comprometimento de todos, de que não existe oba-oba. Não vamos mudar de estilo por causa dos resultados", disse 

Tite fala em testes no grupo; Casemiro vê Alemanha longe demais

"Nós tínhamos conversado para ficar focado no trabalho até a hora em que a gente se classificasse. No momento que classifica, algumas perspectivas se abrem. E agora nos próximos dois jogos, tal qual contra a Colômbia (amistoso em janeiro), teremos a oportunidade de uma outra série de jogadores estarem convocados e atuarem também. É oportunizar para que a competição em alto nível aconteça. A responsabilidade não muda nada", cobrou Tite. 

No caminho até a Copa do Mundo, talvez não haja objetivo mais chamativo que o amistoso contra a Alemanha, em março de 2018. Antes disso, o Brasil também vai se encontrar com a Argentina e a Austrália em junho, mas outros confrontos com seleções europeias estão na pauta da CBF. Casemiro, de novo, mostra foco nos objetivos de curto prazo.  

"Nós já jogamos contra grandes equipes, não precisamos pensar em europeus. E ainda está muito longe para pensar na Alemanha. Voltamos todos aos nossos clubes e faremos o melhor. Temos a Argentina também. Claro que a Alemanha é especial para nós, mas está muito longe ainda", frisou. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos