Fiascos de Drogba, Pottker e Valdívia arranham imagem de direção corintiana

Dassler Marques

Do UOL, em São Paulo

  • Ricardo Duarte/Internacional

    Terceira tentativa frustrada: ida de Valdívia ao Corinthians não se concretizou

    Terceira tentativa frustrada: ida de Valdívia ao Corinthians não se concretizou

A possibilidade de contar com o meia-atacante Valdívia empolgou a torcida do Corinthians, que pela terceira vez em 2017 se decepcionou com o desfecho negativo de um reforço que gerava expectativa. Isso já havia ocorrido nas tratativas por Drogba e por Pottker. Em todos os casos, a imagem da direção do clube acabou arranhada de alguma maneira. 

Irritados pela nota oficial do Corinthians, que apontava ter sido iniciativa colorada a troca Valdívia-Giovanni Augusto, colorados chamaram os corintianos de mentirosos. O vice de futebol Roberto Melo usou expressões duras: "isso é mentira. Lamento este tipo de informação. Alguns clubes têm uma torcida gigante mas não têm diretores à sua altura", falou.

Já Antônio Carlos, treinador, seguiu linha igual: "se falou que o Inter ofereceu ele, o que é mentira. Se começarem a contar mentira, vou falar a verdade e mostrar as mensagens do meu celular", criticou. O Corinthians se defendeu com sua versão do caso.

Caso Pottker: agora, Corinthians também busca jogadores que não podem jogar na Copa do BR

Alê Cabral/Agif

Independente de qual clube está com a razão sobre a ordem natural, o fato é que o Corinthians se expôs como já havia ocorrido em outros negócios recentes que deram errado. Pottker tinha o contrato pronto para se transferir em maio, mas corintianos decidiram cancelar o negócio com o goleador da Ponte Preta depois que ele foi a campo na Copa do Brasil. Assim, não poderia jogar também com a camisa corintiana nesse torneio.  

"Tínhamos tudo praticamente decidido para ele se integrar ao Corinthians a partir do Campeonato Paulista. Já era um acordo, já era conversado. Mas como a Ponte Preta colocou o jogador em campo hoje, o Corinthians esquece esse assunto", afirmou na época Flávio Adauto, diretor de futebol. A Ponte, por sua vez, negou que o assunto Copa do Brasil tenha sido colocado em discussão pelos corintianos em qualquer momento das tratativas. 

Apesar do fracasso nessa operação, o Corinthians manteve o empréstimo de dois jogadores à Ponte Preta, ambos hoje titulares em Campinas. O zagueiro Yago e o atacante Lucca estão cedidos até o fim do ano, com parte salários custeados pelos cofres corintianos. Aliás, os dois atacantes recentemente tentados pelo clube, Valdívia e Clayson (da mesma Ponte), também não poderiam atuar na Copa do Brasil se fossem hipoteticamente adquiridos.

Caso Drogba: racha interno na tentativa pelo marfinense e nota que virou meme

Ian Kington/AFP

Iniciativa do departamento de marketing do clube, a tentativa em buscar Didier Drogba como reforço para dar repercussão internacional ao clube deixou o clube dividido. O presidente Roberto de Andrade tentava convencer o departamento de futebol a avançar no negócio, mas encontrou empecilhos no diretor Flávio Adauto e em membros da comissão. 

Enquanto o marketing buscava meios de se aproximar ao jogador para formalizar seu interesse, o departamento de futebol adotou caminho diferente e recorreu ao atacante Kazim, amigo de Drogba, para checar se ele tinha conhecimento da proposta do Corinthians. Adauto se baseou justamente na negativa dada por Drogba nesse contato para fazer críticas públicas a Gustavo Herbetta, então responsável pela investida. 

Nos dias seguintes, Roberto de Andrade tomou a frente da situação e apresentou as intenções do Corinthians ao marfinense, mas não conseguiu a contratação. A nota oficial escrita à época gerou nova onda de rejeição negativa ao mandatário e à direção do clube, que agradeceu a atenção do veterano e escreveu "Valeu Drogba". 

Marlone também saiu em meio a discussão

Apesar de ter alcançado êxito que troca que levou Clayton ao elenco, o Corinthians também se expôs na saída de Marlone para o Atlético-MG. Insatisfeito por reportagens divulgadas a seu respeito, o atacante fez críticas por meio de nota oficial e se disse "muito chateado com pessoas do Corinthians". O gerente de futebol Alessandro é quem foi a público dessa vez e também atacou a postura de Marlone. Ele, vale lembrar, tem vínculo com o clube até dezembro de 2019. 

Ataque é calcanhar de Aquiles na temporada

Sem Drogba, Pottker ou Valdívia, todos jogadores de ataque, o Corinthians tem tido muitas dificuldades no setor. Apesar dos elogios a Jô, contratação que emplacou no início de temporada, o treinador Fábio Carille admite com frequência a necessidade do setor ofensivo evoluir. A média de gols no ano é 1,1 por jogo: 18 partidas e 20 gols marcados. 

 

 

 

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos