Mustafá pressiona para que Palmeiras reduza gastos com gestão profissional

Danilo Lavieri

Do UOL, em São Paulo

  • Eduardo Anizelli/Folhapress

    Mustafá Contursi, ex-presidente do clube, é o homem mais influente da política alviverde

    Mustafá Contursi, ex-presidente do clube, é o homem mais influente da política alviverde

Homem mais forte da política do Palmeiras, o ex-presidente Mustafá Contursi segue firme com a ideia de diminuir ou acabar com a profissionalização no clube. Se depender dele, o gasto em especialistas para alguns departamentos precisa chegar perto do zero.

A pressão é constante no dia-a-dia das alamedas palestrinas, em entrevistas, reuniões de conselheiros e diretamente em Maurício Galiotte. O atual presidente, no entanto, afirma com veemência que não há a menor chance de ceder a ele neste ponto, embora sempre reconheça a importância dos seus conselhos para conduzir o clube.

Mas o que Mustafá alega contra os profissionais? Segundo ele, todas as funções de diretoria poderiam ser ocupadas por estatutários. O ex-presidente indica diversos advogados que poderiam estar à frente do jurídico, publicitários que comandariam o marketing e a lógica se repetiria para outros departamentos.

A pressão pública mais clara foi em uma entrevista recente à Folha de S. Paulo. O cartola disparou frases como "tem departamento que precisa reduzir até 80%, que é cabide de emprego", "o marketing não produz e só gera despesa" e "encheram de CEOs lá".

Ele alega, com razão, que a Crefisa que procurou o clube para patrocinar, o que seria, na visão dele, um exemplo da ineficiência do marketing. Mustafá ignora, no entanto, campanhas de sucesso como a TV Palmeiras, entre os dez maiores canais de televisão de um clube de futebol no mundo, e o Avanti, plano de sócio-torcedor que tem o maior número de cadastrados do país. 

No dia a dia, há profissionais que relatem não recebem nem um simples "bom dia" dos mustafistas. O ex-presidente e seus seguidores também não se importam em atacar o trabalho dos profissionais na frente dos mesmos.

As frases ditas à Folha são as mais novas, mas a ideia de acabar com o profissionalismo é antiga. Em 2011, Mustafá propôs que um Conselho Gestor para cuidar do futebol fosse colocado no estatuto. Assim, o principal setor do clube estaria sempre nas mãos de um conselheiro e não nas de profissionais, como acontece hoje com Alexandre Mattos e Cícero Souza.

A profissionalização dos principais setores do clube foi bandeira de campanha de Paulo Nobre e principal norte para seus quatro anos de gestão. Sucessor do trono, Maurício Galiotte era vice-presidente na época e também sempre defendeu que especialistas comandassem os pilares do Palmeiras. Hoje o clube se gaba do resultado desse investimento. Na última semana, por exemplo, abriu a Academia de Futebol após a reforma e se orgulhou de uma estrutura de nível europeu. 

Mustafá também defende a manutenção da vitaliciedade para o Conselho. O tema, inclusive, chegou a entrar em debate nas promessas de Nobre por um novo estatuto. Elas, no entanto, não saíram do papel.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos