Lucas é o único a perder espaço no PSG após 6 a 1 humilhante contra o Barça

João Henrique Marques

Do UOL, em Barcelona

  • Jacques Brinon

A goleada do Barcelona por 6 a 1, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões, deixou sequelas para Lucas Moura no PSG. O brasileiro é o único titular do time francês no confronto que perdeu espaço após a eliminação traumática. Neste terça-feira (18), diante do Metz pelo Campeonato Francês, o meia-atacante convive com a esperança de nova oportunidade.

Antes do vexame no Camp Nou, Lucas foi titular em 36 jogos dos 43 disputados pelo PSG na temporada. Porém, tudo mudou após a eliminação na Liga dos Campeões. Dos seis jogos disputados pelo clube desde a queda no torneio europeu, o brasileiro só esteve presente desde o início em partida em que o time francês atuou com reservas. Foi na vitória por 4 a 0 diante do Avranches, no dia 5 de abril, pela Copa da França. 

Lucas perdeu espaço no PSG logo no primeiro jogo após a goleada do Barcelona. Ele, o italiano Marco Verrati e francês Matuidi foram os únicos a ficarem de fora da vitória por 2 a 1 contra o Lorient, em 11 de março, três dias depois do vexame. No entanto, os outros dois jogadores recuperaram rapidamente a posição entre os titulares.

O brasileiro passou a conviver somente com poucos minutos em campo. Na vitória por 2 a 1 contra Lyon, foram 11 minutos em campo. A situação piorou na goleada por 4 a 1 diante do Monaco, com apenas 3 minutos jogados. Em outra goleada, 4 a 0 contra o Guingamp, foram 6 minutos. No final de semana passado, atuou nos 21 minutos finais do triunfo por 2 a 0 diante do Angers - dando assistência para gol do meia argentino Angel Di María.

A ascensão de dois argentinos do elenco contribui para a perda de espaço de Lucas. Di María, que vinha na reserva desde a chegada do alemão Julian Draxler, voltou a ganhar oportunidades e participou como titular de todos os seis jogos após o vexame. Outro a ganhar uma vaga foi Javier Pastore, que iniciou três das últimas partidas (antes da goleada foram apenas 6 jogos como titular).

Outro detalhe que conta contra o brasileiro é o fato dele não ter sido titular na goleada por 4 a 0 contra o Barcelona, no jogo de ida, em Paris. "Colocar Lucas no banco foi a melhor decisão do treinador", analisou a revista France Football à época. Di María foi o escolhido para a vaga e terminou como o destaque do confronto.

A queda de Lucas no PSG acontece justamente no momento em que tem a saída especulada pela mídia francesa. O contrato com o clube vai até 2019. Apesar do cenário negativo, o brasileiro vive sua temporada mais goleadora pelo PSG desde que chegou ao clube em 2013 - foram 16 gols marcados em 46 jogos. Entre 2015 e 2016, por exemplo, ele precisou de 68 jogos para fazer a mesma quantidade de gols.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos