Romário no Palmeiras? Em 1999, 'houve essa possibilidade', diz ex-camisa 11

Do UOL, em São Paulo

  • REUTERS/Paulo Whitaker

    Ex-atacante chegou a conversar com clube para disputar Mundial de 1999

    Ex-atacante chegou a conversar com clube para disputar Mundial de 1999

Romário poderia ter disputado o Mundial Interclubes de 1999 pelo Palmeiras, mas não chegou a um acerto com o clube paulista.

A informação foi divulgada pelo próprio ex-atacante em entrevista nesta segunda-feira ao canal de TV por assinatura FOX Sports. O craque, por enquanto, não deu detalhes a respeito da negociação, e nem explicou porque não chegou a um acerto.

"O Felipão era o técnico. O (Paulo) Paixão era o preparador. Falei com ele por telefone. Houve essa possibilidade", disse. Na decisão do Mundial, o Palmeiras perdeu para o Manchester United por 1 a 0.

Ao longo de quase 25 anos de carreira, Romário jamais defendeu um clube de São Paulo. Entretanto, chegou a conversar com três deles: São Paulo (durante a passagem pelo futebol holandês), Palmeiras e Corinthians (em 2005, com a chegada dos investimentos da MSI).

Segundo ele, a negociação mais próxima de um acerto foi a do Corinthians. "Em relação ao futebol paulista, o mais próximo que eu estive de jogar foi o Corinthians. Estava aquele iraniano lá (Kia Joorabichian), o Andrés Sanchez estava começando. Chegou bem próximo", explicou.

DESENTENDIMENTO COM FELIPÃO

Na estreia de Luiz Felipe Scolari como técnico da seleção brasileira, a equipe visitou o Uruguai e perdeu por 1 a 0 em 2001. Aquela partida, válida pelas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2002, foi a única convocação de Romário para a seleção brasileira sob o comando de Felipão e a última do camisa 11.

Felipão se irritou mais para frente com um pedido de dispensa de Romário, cotado para defender a seleção na Copa América de 2001. O desentendimento, porém, teria outros motivos: no Uruguai, Romário teria se envolvido com uma comissária de bordo na véspera do jogo da seleção.

Ele nega, e diz que tentou – sem sucesso – conversar com o técnico na época. "Me f*di três vezes. Não comi a aeromoça, não conversei com o Felipão e não fui para a Copa (de 2002)", contou. "Quem me dedurou e falou que eu passei a noite com a aeromoça foi um cara da comissão técnica. Duas pessoas da comissão técnica também falaram que eu não tinha feito isso", completou, resignado.

Confira mais trechos da entrevista:

"NÃO SOU MAIS DIABÉTICO"

"Eu estou ótimo. Hoje é dia 24 (de abril), faz exatamente cinco meses da minha cirurgia (interposição ileal), dia 24 de novembro. Eu estava com a glicose de 400 mg/dl, já estava incomodando minha visão. Hoje minha glicose é 85 mg/dl, 90 mg/dl. Não sou mais diabético. Cheguei a perder um total de 22 kg. Apareceram umas fotos na internet realmente estranhas, até eu me preocupei. Será que sou eu mesmo?"

"INVENTARAM QUE EU ESTAVA COM AIDS"

"Na vida de uma pessoa pública como eu, você conquista fãs, e tem aqueles que tambem não gostam, é um direito. Entre os que não gostam, inventaram que eu estava com Aids, com câncer. A doenca que eu estava era a diabetes. Dos 22 kg que eu perdi, recuperei 3 kg. O problema nesses primeiros meses era poder comer."

NEYMAR MELHOR DO MUNDO

"Eu acredito que está chegando a hora do Neymar. O Neymar, para mim, tem feito grandes partidas no Barcelona e na seleção brasileira. O Messi tem qualidade? Tem. Mas se você colocar o que ele faz no Barcelona e na Argentina, que está longe do que ele faz no Barcelona, isso tem que pesar. A forma que a Fifa escolhe o seu melhor, se continuar da forma que é, talvez demore um pouco para o Neymar."

FUTEBOL FÍSICO

"Dá para notar que, hoje, a parte física faz muita importância. Tem muita diferença. Hoje, se eu estivesse jogando, independente da idade, mesmo os meus treinos, talvez o rendimento fosse diferente daquela época. Hoje a parte física está acima da parte técnica. O Cristiano Ronaldo é tido como um dos melhores do mundo – eu não compartilho (dessa opinião), longe de ser como o Messi, o Neymar. Mas ele diz: se não treinar, não acontece."

AUSÊNCIA EM TORNEIOS

"Eu já tive grandes momentos na minha carreira em que não estive na Copa do Mundo, por vaidade ou babaquice dos treinadores. Em duas Olimpíadas, com o Vanderlei (Luxemburgo, em 2000) e com o Zagallo (em 1996). Posso afirmar que eu tinha total condição de participar. E a Copa de 1998, quando me tiraram."

JOHAN CRUYFF

"Foi o maior treinador de todos os tempos, na minha opinião e de muitos que o conheceram. Ele era um cara comigo sensacional. Muitas pessoas achavam que a gente, pela forma objetiva de ser, tinha problemas de relacionamento. Pelo contrário. Foi um cara que me ensinou muito, um cara que mudou a forma do futebol. Se o Barcelona joga hoje, e muitos clubes jogam como o Barcelona, chama-se Johan Cruyff o cara que fez isso tudo."

MESSI OU MARADONA?

"Se for colocar dentro da área, fui bem melhor que os dois. O Messi agora, hoje. Mesmo pensamento. Dentro da área, fui bem melhor que ele – com todo o respeito e humildade."

PIOR TREINADOR

"Gilson Nunes era uma m*rda. P*ta que pariu, que treinador de m*rda que eu tive. Esse foi um dos piores que eu tive. Foi mal, não dá para segurar."

PIOR MOMENTO

"Uma atitude muito indigna com o Andrei em um São Paulo x Fluminense (15 de setembro de 2002, vitória do São Paulo no Campeonato Brasileiro por 6 a 0). Vou pedir sempre desculpas para ele por aquele ato babaca e imbecil que eu tive com ele."

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos