Resultados e torcida seduzem Dorival por mais jogos do Santos no Pacaembu

Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

  • Marcello Zambrana/AGIF

    Dorival rasga elogios ao Pacaembu e agora até pede para Santos mandar jogos em SP

    Dorival rasga elogios ao Pacaembu e agora até pede para Santos mandar jogos em SP

A vitória por 3 a 2 do Santos contra o Santa Fe-COL na última quinta-feira (04), que encaminhou a classificação da equipe para a segunda fase da Copa Libertadores da América, também representou uma aproximação definitiva do técnico Dorival Júnior com o estádio do Pacaembu.

O treinador e os jogadores deixaram o local seduzidos pela participação da torcida, considerada decisiva, e por mais uma vitória conquistada - a 19ª consecutiva, abrindo caminho para que o palco da capital seja mais utilizado no segundo semestre.

"A torcida do Santos deu show aqui dentro. Eles fizeram com que nós tivemos a entrega ao longo dos 90 minutos, nos carregaram no colo. Isso fez com que buscássemos o resultado até o último momento, mesmo com todas as dificuldades da partida", disse o treinador. "O torcedor participando dessa maneira vai ajudar e muito na recuperação total da equipe", completou.

Dorival já defendeu publicamente que o Santos deve atuar na Vila Belmiro e costuma evitar se pronunciar se aprova jogos no Pacaembu.

Logo em seu retorno, questionado se aceitaria jogar em outros estádio pela pouca presença de público na Vila afirmou: "eu jamais gostaria de sair daqui. Para mim, temos que jogar em casa, independentemente de público".

O clube, no entanto, passa por um momento diferente nos dois palcos. No Pacaembu, construiu a maior série de vitórias consecutivas da história e tem alavancado público considerável. No último jogo, 29.798 torcedores para uma partida ainda pela fase de classificação.

A Vila, por sua vez, levou o Santos a tropeçar três vezes no ano: derrotas para São Paulo, Ferroviária e Palmeiras, além do baixo número torcedores e as constantes vaias. Os principais alvos são o próprio treinador e jogadores como o meio-campista Vitor Bueno, que marcou no Pacaembu e quebrou um jejum pessoal de cinco jogos.

"As coisas vão acontecer dentro de uma naturalidade naquilo que for definido pela diretoria. O que for o melhor, eles vão saber, pois conhecem a opinião de todos nós e, jogando aqui ou na Vila, o importante é que a equipe esteja viva, motivada e interessada na busca pelo resultado, que é o que tem acontecido", explicou o treinador.

A ideia dos cartolas é terminar a temporada com cerca de 15 jogos disputados no Pacaembu como mandante. Até o momento já foram três (Kenitra, Ponte Preta e Santa Fe). O número triplicaria a participação do Santos em relação ao ano passado. Em 2016, foram seis jogos no estádio, sendo cinco deles como mandante.

Dorival já pediu para o presidente Modesto Roma negociar mais jogos no estádio municipal de São Paulo. Só fez uma ressalva: que os jogos decisivos permaneçam em Santos.

Há quem diga no clube que o projeto de triplicar os jogos no Pacaembu se limita a uma estratégia política de Modesto Roma, que concorre à reeleição em dezembro. O mandatário tenta se aproximar do associado em São Paulo para alavancar votos. Em 2014, quando venceu a eleição, ele teve apenas 35 votos dos sócios da capital. Modesto se tornou presidente do Santos com 1321 votos.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos