Para evitar crise, Santos só deve poupar 1 vez em "maratona" de jogos fora

Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

  • André Mourão / MoWA Press

    Serão 10410 km aproximadamente percorridos só de avião para atuar em 3 competições

    Serão 10410 km aproximadamente percorridos só de avião para atuar em 3 competições

O Santos iniciou, na noite da última segunda-feira, uma "maratona" de viagens que só termina na próxima semana. Serão 10.410 km, aproximadamente, percorridos só de avião para atuar em três competições: Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro e Copa Libertadores da América. Paysandu, Fluminense e The Strongest são os adversários.

A delegação santista já embarcou para Belém, onde treina nesta terça-feira no CT Curuzu, para encarar o Paysandu, nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), no estádio Mangueirão, pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil. Na partida de ida, o time de Dorival Jr. conseguiu boa vantagem com o 2 a 0 na Vila Belmiro.

Depois do compromisso, a delegação volta a Santos para dois treinamentos antes de viajar novamente. Desta vez, vai para o Rio de Janeiro, onde encara o Fluminense, no domingo, às 11h (de Brasília), no Maracanã, em sua estreia no Campeonato Brasileiro deste ano.

O Santos viaja de volta para a Baixada logo após o jogo matutino e entra novamente em um avião na segunda-feira de manhã, quando embarca para La Paz, na Bolívia, onde enfrenta o The Strongest, na quarta-feira, dia 18. A altitude de 3.660 metros da capital boliviana, além de trechos percorridos de ônibus, só aumentam o desgaste com a maratona.

A comissão técnica está preocupada com o desgaste do elenco e teme lesões. No entanto, o medo maior é o de uma possível crise provocada por eliminações. Por conta disso, o técnico Dorival Júnior deve colocar força máxima no duelo contra o Paysandu, mesmo com a vantagem adquirida no jogo de ida.

Como o confronto contra o The Strongest pode definir a classificação para as oitavas de final da Libertadores, o treinador também não poupará na próxima semana. Desta forma, o único jogo que a comissão técnica avalia para entrar em campo com um time alternativo é a estreia do Brasileirão, diante do Fluminense. Existe a chance de o treinador escalar até um time totalmente reserva.

"É tentar resolver o quanto antes a nossa posição. O jogo já seria um jogo complicado pela qualidade da equipe adversária, principalmente jogando na altitude, que todos sabem o que representa. Naturalmente que, não só pela altitude, mas pela capacidade que possui, deu para ver pela partida na Vila com as dificuldades que tivemos, mas que queremos colocar também essas dificuldades para eles. Vamos caminhando ponto a ponto, buscando pontos importantes fora e acima de tudo fazendo com que a nossa classificação se antecipe nos jogos dentro dos nossos domínios. Isso é a Libertadores. Buscar pontos fora e fazer os resultados internamente", afirmou Dorival sobre o confronto contra o The Strongest.

Para esta partida, o Santos perdeu o volante Thiago Maia, suspenso. Leandro Donizete deve ser o substituto. Ainda sem Zeca, Dorival não definiu quem joga na lateral-esquerda. Jean Mota, Matheus Ribeiro e até Copete brigam pela posição. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos