Racismo, prisão injusta e fraude: a vida do 1º negro a defender a Alemanha

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução/Twitter

    Kostedde foi convocado três vezes pela então Alemanha Ocidental

    Kostedde foi convocado três vezes pela então Alemanha Ocidental

Se ainda hoje existem casos de racismo no futebol, na década de 1970 eles eram comuns em muitos países. E um jogador sofreu com isso durante toda a carreira, e até depois dela, em nome do futebol. Erwin Kostedde entrou para a história como o primeiro negro a defender a seleção alemã, mas o preço pago por isso foi alto.

Filho de mãe alemã e pai afro-americano, Kostedde quis ser jogador de futebol para fugir da marginalização que ele julgava ser quase automática. Começou a carreira na Alemanha e logo se transferiu para a Bélgica, onde foi artilheiro e três vezes campeão do campeonato local.

De volta à Alemanha aos 25 anos, acertou com o Kickers Offenbach. Nessa época, ele conta que eram rotineiros os insultos racistas. "As torcidas rivais gritavam que nosso time tinha dez maricas e um preto", contou ele à revista Panenka.

As provocações fizeram Kostedde lembrar da infância na Alemanha. "Meus colegas de classe sussurravam que os alemães viriam me fuzilar, já que eu era filho de americano". O atacante, então, respondeu em campo.

Pelo Kickers, fez 80 gols em 129 jogos. O desempenho lhe rendeu algo inédito no país: foi convocado para defender a então Alemanha Ocidental. A primeira de três convocações aconteceu em 1974. "Eu havia chegado lá. Achei que já não seria mais marginalizado. Logo eu descobri que estava errado".

A boa fase deu lugar a problemas. Um golpe dado por um assessor financeiro lhe causou a perda de milhões de marcos (moeda alemã da época).

Kostedde começou a perambular por times do país e, exceção feita a uma boa passagem pelo Werder Bremen, não se firmou em nenhum. O desânimo fez com que ele pendurasse as chuteiras.

Então, em 1990, veio o golpe mais duro. O ex-atacante foi preso, acusado de roubar uma loja de jogos. Ficou seis meses na prisão, negando ser o autor do delito. E ele falava a verdade. Depois do tempo preso injustamente, foi absolvido pela Justiça e indenizado.

"Não assumi a culpa por algo que não havia feito. Aquele Kostedde morreu na prisão, incapaz de digerir a maneira como a polícia, o juiz e a imprensa sensacionalista se uniram para acabar comigo", lamentou ele anos depois.

A mágoa do ex-atacante é grande. Ele diz que talvez tivesse sido melhor ser um operário humilde, sem visibilidade, aceitando uma vida longe dos holofotes. Mas ele chegou à seleção alemã numa época em que nenhum negro sonhava com a possibilidade. E isso ninguém tira de Erwin Kostedde.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos