Barça prioriza identificação e reduz lista de substituto de Luis Enrique

João Henrique Marques

Do UOL, em Barcelona

  • Lluis Gené/AFP Photo

    Ernesto Valverde, técnico do Athletic, é o favorito ao cargo de treinador do Barça

    Ernesto Valverde, técnico do Athletic, é o favorito ao cargo de treinador do Barça

O suspense no Barcelona para a próxima temporada é a escolha do treinador. Com a saída de Luis Enrique já confirmada pelo próprio, vários nomes entraram na mira antes da lista ser reduzida pela diretoria para quatro opções. Agora, os poucos candidatos restantes têm em comum o histórico no clube.

O nome favorito ao cargo é o de Ernesto Valverde, atualmente no Athletic de Bilbao. E o atributo principal é a passagem no clube como jogador. O ex-atacante atuou entre 1988 e 1990 sob o comando de Johan Cruyff e tinha como grande amigo Josep Guardiola. No total, foram 22 partidas disputadas e oito gols.

"Seria muito bom que o futuro treinador tivesse passado pela casa e conhecesse bem a filosofia do clube. A busca gira em torno disso", admitiu o diretor esportivo do Barcelona, Robert Fernandéz.

A lista ainda ficou mais reduzida após a diretoria desistir de promover o nome preferido dos jogadores, o auxiliar técnico Juan Carlos Unzué. No caso, a necessidade de mudança do trabalho de Luis Enrique é a alegação.

Como opções restantes dois holandeses ganham força: Ronald Koeman e Philip Cocu. O primeiro dirige o Everton, da Inglaterra, e foi zagueiro do Barça por sete anos (entre 1989 e 1995). A identificação ainda é potencializada com o gol do primeiro título da Liga dos Campeões, em 1992. Já Cocu, treinador do PSV, da Holanda, também tem sete anos como volante do Barcelona (entre 1998 e 2004).

Por fim, o atual treinador do Real Sociedad, Eusebio Sacristán, ainda aparece como cotado ao posto de Luis Enrique. O candidato tem fortes atributos, tendo sido meia do Barça durante oito anos (entre 1988 e 1995) e treinador do Barça B por quatro temporadas (entre 2011 e 2015).

A escolha pela identificação

O trauma no Barcelona foi a passagem de Tata Martino. O argentino sem histórico no clube comandou o time na temporada 2013-2014 e realizou trabalho considerado ruim. Como queixas principais estavam as constantes modificações táticas, deixando de priorizar a posse de bola, e a falta de espaço aos jovens formados em La Masia, a fábrica de talentos do Barça.

A ausência de histórico no clube também contribuiu para a impaciência da torcida. Já com Luis Enrique, mesmo tendo passagem pelo arquirrival Real Madrid, as lembranças como meia do Barcelona sempre o protegeram.

"Se você observar a Barça TV durante a programação, sempre há espaço para gols do Luis Enrique. É uma tática para acalmar a torcida. O Barcelonismo é o critério mais importante para um associado do clube", destacou Toni Padilla, o editor do jornal catalão Ara.

Na falta de identificação com o clube, os argentinos Jorge Sampaolli, do Sevilla, e Eduardo Berizzo, do Celta de Vigo, lembram Tata Martino. Sendo assim, foram descartados.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos