"Entendi que era o meu momento e não o do Dunga", diz Tite sobre seleção

Do UOL, em São Paulo

Invicto e 100% no comando da seleção brasileira, o técnico Tite acredita que deveria ter assumido antes o cargo. Em entrevista publicada pelo jornal "El País", o treinador afirmou que estava pronto para logo depois da Copa do Mundo de 2014. Para sua surpresa, no entanto, a CBF voltou ao passado e empregou Dunga.

"Eu me preparei e, em 2014, depois da Copa, achei que seria convidado. Entendi que era o meu momento, não o do Dunga ou de qualquer outro técnico. Não porque eu seja melhor, mas porque aquele era o meu melhor momento profissional", afirmou o Tite.

A oportunidade veio quase dois anos após a Copa do Mundo, com a demissão de Dunga. Campeão brasileiro em 2015 com o Corinthians, Tite foi chamado para assumir a seleção em junho de 2016. Desde então, conquistou nove vitórias consecutivas, durante as quais seu time sofreu apenas dois gols e marcou 25. Além disso, classificou a seleção de modo antecipado à Copa de 2018.

Todo o sucesso, no entanto, veio acompanhado de incertezas na antes do "sim".

"Eu tive dúvidas em assumir a seleção brasileira. Pensei muito. Uma coisa é tu assumir no início de um trabalho e ter 18 jogos pela frente. Outra é assumir no meio do caminho. Eu não tinha tempo para errar. A minha margem de erro era muito pequena", analisou.

"Iríamos enfrentar o Equador, que dividia a liderança das eliminatórias com o Uruguai, na altitude de Quito, e a Colômbia, que é a equipe sul-americana que mais cresceu nos últimos anos. Pesei tudo isso antes de aceitar o cargo. Eu corria grande risco", completou.

Apesar das preocupações, Tite iniciou sua passagem pela seleção com vitórias por 3 a 0 sobre os equatorianos e 2 a 1 sobre colombianos, iniciando a caminhada invicta que persiste até o momento.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos