Ex-goleiro até separou da mulher após ser pego no doping: "estava no ápice"

Marcello De Vico e Vanderlei Lima

Do UOL, em Santos e São Paulo

  • Fernando Santos/Folha Imagem

    Goleiro Renê foi flagrado usando furosemida e foi suspenso por um ano em 2011

    Goleiro Renê foi flagrado usando furosemida e foi suspenso por um ano em 2011

Com a camisa do Bahia, o goleiro Renê vivia em 2010, segundo suas próprias palavras, a melhor fase de sua carreira. O resultado de um exame antidoping, porém, cessou o bom momento do jogador, que foi suspenso e precisou ficar um ano sem jogar futebol. Não bastasse isso, ao longo deste período viveu um drama familiar com uma grave doença do filho (na época com quatro anos) e ainda acabou separando da esposa. A volta aos gramados aconteceu em 2011, já no Grêmio Barueri, clube o qual já havia defendido entre 2008 e 2009, período em que foi até eleito o melhor goleiro da Série B.

Extremamente bem-humorado, o ex-goleiro – que hoje tem 38 anos e trabalha como técnico no Rio Branco-AC – conta essas e diversas outras histórias em entrevista exclusiva concedida ao UOL Esporte. Entre elas, a paixão pelo Corinthians, as trapaças que fez para entrar no futebol, o período em que 'amaciou' as chuteiras do ídolo Neto no Araçatuba, a quase ida para o Atlético-MG no fim de 2009 – e a confusão com a Portuguesa – e a hilária história em que 'assustou' o namorado gago de sua única irmã. Confira:

Melhor fase da carreira foi no Bahia

No Barueri eu conquistei bastante coisa, fiz mais de 100 jogos, mas eu considero que no Bahia, tecnicamente falando, eu fui melhor. Lá eu vinha bem demais, mas aí eu peguei a suspensão de doping.

O doping e suas consequências

Eu tomo remédio de pressão, o Lasix, e um dia eu cheguei em casa e passei mal, e minha esposa na época veio e me deu o remédio, foi no jogo contra a Portuguesa. Eu não comentei nada do remédio por causa do período, eram mais de 48 horas, falavam que não tinha problema nenhum, e aí eu fui pego no antidoping e peguei um ano de suspensão.

Foi horrível na família, ali 'foi pro pau' todo mundo, houve separação com a mulher, briga, confusão por causa disso... Eu estava no meu ápice, no meu melhor momento, mas hoje está tudo bem, a gente se dá bem. Depois eu voltei com a mulher, mas também depois não deu certo [risos], aí já não tinha o remédio, já era [risos]. Agora está todo mundo feliz.

A reação ao saber sobre o doping

Eu era um dos líderes do Bahia, e teve uma reunião, a gente estava em Campinas, íamos jogar contra a Ponte Preta. Aí tocou o telefone no quarto, eu atendi, e o Paulo Angioni [gerente de futebol] e o André [supervisor] queriam falar comigo. Aí eu desci, cheguei lá e estavam sentados o Ricardo Palmeira, treinador de goleiros, Márcio Araújo, o treinador, o André e o Paulo Angioni. E aí falaram: 'Amigão, nós tivemos um caso de doping no time', e na hora eu falei: 'Está brincando, quem foi'? Eu nunca imaginei que fosse eu. Quando fala em doping todo mundo já pensa em drogas, né... Aí ele falou assim: 'Foi você', e eu falei: 'Eu'? Na hora foi aquele baque. E ele falou: 'É, cara, você usou alguma coisa'? E eu falei: 'Não, você está doido'? Aí ele falou: 'É de remédio', e eu falei: 'Eu tomei remédio e avisei, né', e ele falou: 'Você pode jogar amanhã contra a Ponte Preta, mas vai ficar suspenso por determinação por 30 dias'. Eu fiquei em choque, eu não bebia.

Divulgação
Eu e o Bruno Octávio fomos para a internet, olhamos tudo, aí eu liguei para o Harlei [ex-goleiro do Goiás], porque ele tinha caído pela mesma coisa e cumpriu quatro meses, liguei para um monte de cara que tinha caído por isso... O nadador Cielo teve depois que eu, e todo mundo absolvido, aí eu pensei: 'Pô, devo tomar somente os 30 dias', aí eu abri mão da contra prova para acelerar o processo e acabei punido, peguei um ano. Todo mundo que havia caído pegou uma pena menor: o Cielo pegou 20 dias, e o mínimo são 30 dia. Eu não sei o motivo de eu ficar um ano suspenso. E nesta mesma época o meu filho, com quatro anos, pegou uma bactéria e ficou hospitalizado 32 dias. Eu fiquei junto com o meu filho o tempo todo no hospital, e graças a Deus ele ficou bem. Eu cheguei a ser chamado pela assistente social, o Bahia estava em um momento de reestruturação, e me deram total apoio. Meu filho saiu do hospital depois de 32 dias, o Bahia entrou com o recurso e na época não aceitaram. Então eu cumpri um ano e depois voltei a jogar no Barueri, em 2011.

As trapaças antes do início da carreira profissional...

Tinha um teste no Bragantino, e meus dois primos e o Felipinho [amigo] iam fazer o mesmo teste. Aí uma mulher atendeu e o cara já tinha marcado: Renê de Freitas Marques, 30 de agosto de 77, zagueiro, eu jogava de zagueiro. Aí nós fomos para a Rodoviária do Tietê, vários moleques, e o pessoal começou a comentar: 'Rapaziada, quem for zagueiro está f...', porque a zaga da seleção sub-20 naquela época era do Bragantino, aí eu fiquei pensando: 'O que eu estou fazendo indo lá', mas eu fui. Quando eu cheguei lá tinham uns 200 moleques mais ou menos, e uns 14 goleiros, e aí o cara falou: 'Quem é Renê de Freitas Marques'? Aí eu esperei um pouquinho e sabia que ninguém ia levantar a mão, não iam ter dois ali, aí eu falei: 'Eu'. Aí o cara falou: 'Ô moleque, você é goleiro ou zagueiro'? Na hora veio na minha mente o que os caras falaram lá no Terminal, e aí eu falei: 'Eu sou goleiro', aí o cara falou: 'Goleiro é para lá', e eu sem material, sem luvas, sem nada, mas eu era o mais alto. Aí passaram somente seis goleiros, e eu estava entre os seis. Aí quando eu voltei eu pensei: 'Agora lá no São Cristóvão [time onde jogava] eu tenho que jogar de goleiro, né? E aí o Brigadeiro, que era goleiro de futsal, foi campeão pelo Atlético-MG, é profissional de futsal, era o goleiro do São Cristóvão, e a gente ia junto, e quando ele ia eu tinha que jogar na linha, né, mas eu tinha que jogar no gol. E aí eu comecei a enganar o Brigadeiro, eu falava: 'Amanhã não vai ter jogo', e a gente saía para beber, eu bebia água e para ele eu dava vodca. Eu passava em frente à casa dele e nem buzinava, só batia de leve na buzina e ia embora. Aí o Paulo, que era o pai do Felipinho e treinador, chegou e perguntou: 'Cadê o Brigadeiro'? Eu falei: 'Ah, o cara não veio, está mamado, não quis vir', eu inventava essas coisas, aí o Paulão falou: 'Ah, então vai você para o gol', e foi assim.

Arquivo pessoal
Aí um dia o cara do Araçatuba estava lá, o Vanderlei, diretor do Araçatuba, e ele gostou do Felipinho, o Felipinho jogava muito. Aí eu ouvi ele falar que queria levar o Felipinho, e eu pensei: 'Pô, esse cara tinha que levar eu para lá', eu cheio de parentes em Araçatuba... Aí eu falei para o Vanderlei: 'O Felipinho não vai, o pai dele é gerente de banco, está bem pra caramba, e sozinho ele não vai'. Aí o diretor do Araçatuba falou: 'Como assim, sozinho'? Eu falei: 'Ele é meu parceiro, se você me chamar eu consigo arrastar ele'. Isso eu tinha 18 anos. Aí ele falou: 'Mas eu estava pensando em levar você e ele'. Aí eu fui no Felipinho e falei: 'Felipinho, o cara está querendo me levar para lá e eu vou ver se consigo levar você também, você vai'? Aí o Felipinho falou: 'Se você for, eu vou'. Aí eu falei para o diretor do Araçatuba: 'Vanderlei, eu consegui convencer o Felipinho [risos], e fomos [risos].

... e o período em que amaciava as chuteira do ídolo Neto

Eu era da Gaviões, viajava para cima e para baixo, fazia parte de tudo. Eu fui o número 20.070 da Gaviões. Na minha época o presidente era o Dentinho, Metaleiro, Pancho, todos esses caras. Aí e quando eu fui para o Araçatuba o clube contratou o Neto e o Márcio Bittencourt. Ah, eu vivia na arquibancada, e lá dei de cara com os caras no Araçatuba, e quando vi esses dois eu falei: 'não acredito', aí um dia o Neto passou no vestiário e falou: 'ô camarada, quem vai amaciar a minha chuteira aí'? Pô, eu calço 44, o Neto calçava 38, 39, sei lá, aí eu falei: 'Eu amacio [risos]', e o meu pé nem entrava na chuteira, e os zagueiros falaram: mas nem cabe no seu pé', e eu falei: 'cala a sua boca rapaz, não cabe no seu [risos], e eu tentava fazer o meu pé entrar, eu só amaciava dentro do vestiário, não dava para sair com a chuteira daquele jeito, né? O pé nem entrava, mas era do Neto, né {risos]... Depois encontrei com o Neto na Band, já fui umas três vezes no programa dele, ele é uma figura.

De jogador a diretor em apenas dois segundos

Arquivo pessoal
Nós perdemos um jogo para o Rio Claro, e eu participava da escola de samba Rosas de Ouro. Acabou o jogo eu fui para o ensaio, e o prefeito na época me ligou querendo saber aonde eu estava e tal, queria falar comigo. Aí começou a marcação da bateria, uma barulheira do caramba, e eu falei que estava num ensaio de uma banda perto de casa e que àquela hora eu não podia falar com ele. Depois eu falei com ele e ele me disse: 'Renê, está uma zona, esse diretor que está aqui não tem comando nenhum', e nós jogadores já tínhamos organizado uma greve para o dia seguinte, aí eu falei: 'Vamos fazer uma greve então, esse cara está achando que ele é quem'? Aí eu cheguei no dia seguinte e ele falou: 'Renê, eu tenho uma proposta para te fazer, quero que você assuma como diretor de futebol, contrato de cinco anos'. Eu esperei alguns segundos e falei: 'Prazer', em dois segundos, 'agora eu sou o novo diretor de futebol'. Parei de jogar futebol ali, resolvi em dois segundos. Aí eu parei e assumi como diretor de futebol do Barueri.

Ídolos como treinador: "meio Tite, meio Cuca"

Eu sou meio Tite e meio Cuca. Não trabalhei com os dois, mas nos dois o que me chama atenção é a maneira de lidar com os atletas, a postura. Quem é ex-atleta sabe que a profissão não é fácil, não, o cara tem que ter paciência, tem que entender o outro lado, e esses dois aí já saíram de muita pedreira, conseguiram sempre fazer o time correr para eles e, taticamente, sem palavras, sempre conseguiram trazer bons resultados.

Como era enfrentar o clube de coração?

Eu fui um trouxa. Quando eu jogava contra o Corinthians eu não bebia nada na semana, não comia carne, eu parava tudo para enfrentar o Corinthians. Eu nunca joguei mal contra o Corinthians... Eu não ganhei, mas eu sempre fiz grandes partidas: empatei no Pacaembu, empatei na Arena Barueri, empatei com o Mirassol com o Ronaldo fenômeno em campo, mas eu nunca joguei mal contra o Corinthians. Eu saía do jogo e todo mundo falava: 'Esse goleiro vagabundo, corintiano, sempre faz isso'. Hoje eu falo para os meus atletas: 'Cara, se você se preparar para ir em todos os jogos, vocês vão fazer o que eu fazia contra o Corinthians', porque no Brasileiro eu  me preparei para todos os jogos da Série B e fui eleito o melhor goleiro da competição pelo Barueri, e em 2009 eu fiquei entre os quatro melhores, só que em 2009 [Série A] os goleiros eram: Fabio Costa, Rogério Ceni, Marcão, Fábio, Dida, e você estar entre os quatro é uma p... vitória, e eu falo para os caras: se preparem.

A quase ida para o Galo e o 'rolo' com a Portuguesa

Arquivo pessoal
A Portuguesa me procurou em 2008 e fizeram um pré-contrato. Na época, o pré-contrato era assim: você tinha que assinar e datar de próprio punho, e eu só assinei, e ia datar depois. E quando acabou o campeonato eu liguei para o cara da Portuguesa, que me chamou, e eu falei: 'E aí, qual o dia que eu me apresento'? Ele disse: 'Pô, nós já contratamos o Muriel e não vamos ficar com você', e eu falei: 'beleza'. Aí eu fui e renovei com o Barueri, arrebentei em 2009 e o Márcio, que trabalhava com o Vanderlei Luxemburgo, me ligou e falou: 'Negão, o homem quer te levar'. Eu estava em Natal, de férias, o Luxa estava para assumir o Fluminense, o Fluminense estava pra cair. Aí o Fluminense escapou e o Márcio me ligou e falou: 'Acho que vamos para o Internacional' [risos], e eu falei 'beleza', mas não deu certo. O Márcio ligou novamente e me disse: 'Um cara do Atlético-MG vai te ligar, agora deu certo', e eu falei: 'show de bola, ok então'. Fui para São Paulo, o cara do Atlético-MG me ligou, fui para lá, me apresentei, tudo, e quando eu voltei o Antônio Melo, preparador físico, me passou alguns trabalhos para eu me apresentar melhor...  E quando eu estava lá em Minas o diretor do Galo me chamou e falou: 'Renê, a Portuguesa está falando que tem um contrato assinado com você', eu falei: 'Não, isso foi em 2008, e não está nem datado'. Aí a Portuguesa foi e preencheu de próprio punho a data, mas tinha que ser por escrito, né, tinha que ser assim: São Paulo e tal... a Portuguesa escreveu: SP, 12, 08... Aí eu fui para São Paulo e quando eu cheguei ao aeroporto eles apresentaram este contrato aí. Aí o Atlético estava numa negociação com outro goleiro, o presidente Kalil [Alexandre] estava na Europa e o Galo não entrou na briga. Aí eu perdi esta oportunidade do Atlético-MG.

Ex-namorado da irmã sofreu nas mãos de Renê

Sofreu bastante [risos]. O primeiro namorado dela era um gago. Quando ele entrou em casa eu falei: 'o que você quer com a minha irmã'? Ele ficou mais de um minuto em silêncio, e eu falei: 'você é gago ou mudo'? Falei na cara dele [risos], mas depois ele foi de boa com a família.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos