"Cérebro" da Juventus fugiu da guerra e provocou a ira de torcida da Roma

Do UOL, em São Paulo

  • AFP PHOTO / Valery HACHE

    Bósnio Miralem Pjanic é um dos jogadores mais importantes da Juventus na temporada

    Bósnio Miralem Pjanic é um dos jogadores mais importantes da Juventus na temporada

A Juventus que volta a uma decisão de Liga dos Campeões após dois anos tem em Miralem Pjanic uma das principais referências de criação ofensiva. O bósnio de 27 anos foi um dos destaques da campanha até o momento e traz na bagagem de vida duas histórias que envolvem emoção à flor da pele: a fuga de uma guerra e a "traição" a uma das torcidas mais apaixonadas da Itália, a da Roma. 

Choro do bebê Pjanic fez família escapar da guerra

Miralem nasceu em 1990, dois anos antes da Guerra da Bósnia, conflito que fragmentou a Iugoslávia em novas nações, como Croácia e Sérvia. O meia da Juventus é filho de um jogador de futebol do país, Fahrudin Pjanic. Na época, o ex-atleta sentia no ar o clima de animosidade que geraria milhares de mortes nos meses seguintes. Por isso, foi procurar refúgio em Luxemburgo.

"Era um tempo difícil. Jogar na Terceira Divisão te levava a lugares pequenos pelo país. Você podia sentir que algo estava errado, que tempos ruins estavam chegando", declarou o pai de Pjanic em entrevista ao jornal inglês "The Guardian", sobre o clima que antecedeu a guerra.

Com Fahrudin em Luxemburgo, sua esposa foi ao clube Drina clamar pela liberação do marido, que tinha contrato em vigência. Diante da relutância do presidente da agremiação, Fatima começou a chorar. No colo da mãe, o bebê Miralem também foi às lágrimas.

Reprodução
Pjanic durante a infância em Luxemburgo

"Como qualquer outro bebê, ele sentiu que algo estava errado com sua mãe", relatou Fatima. Comovido pela cena, o presidente do Drina enfim aceitou desfazer o contrato do pai de Pjanic, ajudando a família a deixar a Bósnia.

Longe da guerra em seu país de origem, Pjanic cresceu em Luxemburgo, onde o pai conciliava a vida de jogador com o serviço em uma fábrica. Na pequena nação do Oeste Europeu, o menino bósnio se encantou pelo futebol. O pequeno Miralem sempre foi um estudante disciplinado, capaz de dominar vários idiomas – hoje o meia fala seis línguas. Em campo, veio à tona o mesmo perfil de dedicação.  

"Eu treinava quatro horas por dia e executava muitos disparos de falta", relembrou o jogador em entrevista recente ao site oficial da Uefa.

Apesar de crescer longe da Bósnia, começando a carreira na França (Metz e Lyon), Pjanic decidiu defender a seleção de seu país. Em 2014, esteve no Brasil na primeira participação da história dos bósnios em Copas do Mundo.

32 milhões de euros: um "Judas" para a torcida na Roma
Reprodução

Se por um lado Pjanic é adorado pelos fãs bósnios, por outro despertou a rejeição de uma das mais fanáticas torcidas do futebol na Europa. Durante cinco anos o meia foi um dos principais jogadores da Roma. No entanto, no último verão, decidiu trocar a o time da capital italiana por um de seus maiores rivais.

Pjanic virou jogador da Juventus em uma transferência de 32 milhões de euros, assinando por cinco temporadas. Imediatamente, o jogador bósnio inspirou uma série de reações de indignação da torcida da Roma. Chamado de "Judas", o atleta teve camisas rasgadas e motivou ofensas das redes sociais. De quebra, acabou criticado pelo maior ídolo da história de seu ex-clube.

"Jogadores modernos são como nômades. Eles seguem o dinheiro, não o coração", afirmou Francesco Totti, em entrevista ao jornal Gazzetta dello Sport. "Não são muitos atletas que seguem o coração. Eles decidiram ir para outro lugar para tentar ganhar troféus e mais dinheiro", acrescentou o ídolo, sem citar nominalmente, mas respondendo ao questionamento sobre chegadas de Higuaín (ex-Napoli) e Pjanic ao elenco da Juventus.

Em contrapartida, Pjanic ganhou declarações de compreensão de ex-companheiros como De Rossi e Nainggolan. O bósnio também justificou sua decisão, falando em condições profissionais irrecusáveis: "Eu me mudei para um clube acostumado a ganhar e sempre buscar mais. Eles me apresentaram um grande projeto, que fascinaria qualquer jogador". 

Cabeça pensante no meio-campo da Juve

Valerio Pennicino/Getty Images

A Juventus já apresentava feição de finalista mesmo no princípio da Liga dos Campeões. A campanha dos hexacampeões italianos foi sólida desde o início, culminando no retrospecto de invencibilidade: 9 vitórias, 3 empates e nenhuma derrotas. Nesta caminhada, que inclui a eliminação do badalado Barcelona, Miralem Pjanic sempre foi uma peça importante.

O bósnio participou de 11 partidas na campanha da finalista, até o momento. Foram 837 minutos em campo, com três assistências e um gol marcado, contra o Dínamo Zagreb, ainda na fase de grupos. 

"Eu sempre acreditei nele. Ele é um dos melhores jogadores da Europa", elogiou Massimiliano Allegri, técnico da Juventus, em entrevista ao site oficial da Uefa.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos