Sumiço, simulação... Mano "malandro" é só mais uma esquisitice de técnicos

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução

    Mano tenta atrapalhar arremesso lateral de rival; treinador entende que está certo

    Mano tenta atrapalhar arremesso lateral de rival; treinador entende que está certo

O lateral da Chapecoense corria para tentar um arremesso lateral quando Mano Menezes, o experiente técnico do Cruzeiro, resolveu dar um passinho para o lado para atrapalhar o rival. A cena inusitada chamou atenção na última quinta, durante o confronto pela Copa do Brasil, e colocou o ex-treinador da seleção no meio de uma polêmica. Para ele, a atitude foi correta. Para a maioria que assistiu à cena, a malandragem só confirmou que 2017 tem sido um ano surpreendente quando se dos donos das pranchetas. 

No mesmo jogo, por exemplo, Vagner Mancini protagonizou um ato intempestivo pelo lado da Chapecoense, que terminou eliminada da Copa do Brasil. Mancini se desentendeu com o atacante Ramón Ábila após a partida e quebrou a porta do vestiário usado pelo Cruzeiro na Arena Condá com um chute.

Nesse clima, o UOL Esporte lembra de outros episódios inusitados envolvendo treinadores do futebol nacional nesta temporada.

Antonio Carlos Zago simula agressão em jogo do Gaúcho

Ex-técnico do Internacional, que acertou nesta semana a contratação de Guto Ferreira, o técnico Antonio Carlos Zago passou vergonha no jogo de volta semifinal do Campeonato Gaúcho contra o Caxias. Aos 10min do segundo tempo, o treinador foi empurrado bem de leve por Elyeser. Zago então esperou cerca de um segundo, gritou e fingiu ter sido atingido no rosto, se jogando no chão na sequência. O momento de ator resultou em uma denúncia do TJD-RS, porém o técnico acabou não punido.

E. Baptista rebate polêmica com tapa na mesa aos berros

Vindo de uma vitória emocionante sobre o Peñarol no estádio Campeón Del Siglo, Eduardo Baptista desabafou em entrevista coletiva. O então treinador do Palmeiras questionou uma notícia dada no Blog do Juca aos tapas e berros – literalmente. Batendo na mesa e falando alto, Baptista cobrou.

"Fala que eu sou maleável, que eu saí de mão dada com o Roger Guedes. E vocês estão falando aqui com um cara sério! Quer questionar a escalação? Quer questionar o meu estilo de jogo? Agora vocês estão atacando o homem! Vocês conhecem a minha família. Eu respeito cada um que vem aqui, os setoristas que vem para o dia a dia. Eu não sou maleável, sou um cara sério. E isso é culpa da imprensa!", desabafou o treinador, que seria demitido pouco mais de uma semana depois do episódio. 

O movimentado mês de Petkovic no Vitória

Dejan Petkovic foi anunciado como gerente de futebol do Vitória no último dia 3 de maio, porém oito dias depois recebeu mais um cargo dentro do clube. Com a demissão do técnico Argel após a eliminação do clube para o Bahia na Copa do Nordeste, Petkovic se tornou gerente e treinador ao mesmo tempo.

Foram 21 dias de "estabilidade" para o sérvio, que na última quinta-feira recebeu uma promoção: vai preencher o vazio deixado com a saída do diretor de futebol Sinval Vieira, que deixou o clube nesta semana. Ele ainda comandará o Vitória contra o Fluminense neste fim de semana. Depois irá atrás de seu próprio sucessor para o cargo de técnico.

Maurícia da Matta/EC Vitória

Marcelo Cabo some e é encontrado em motel perto de Goiânia

Para a surpresa do Atlético-GO, o técnico Marcelo Cabo desapareceu no último dia 16 de janeiro. O clube comunicou a polícia local que o treinador havia sumido na madrugada de sábado (14) para domingo (15). Ele só foi aparecer no dia 17, após as autoridades o encontrarem em um motel em Aparecida de Goiânia, na região metropolitana da capital do estado de Goiás.

A direção do clube ficou em dúvidas sobre a manutenção do técnico, campeão da Série B de 2016, mas acabou se acalmando. "Ele sabe que vai trabalhar na corda bamba", disse o presidente Adson Batista em coletiva. O dirigente também afirmou que o técnico admitiu ter "bebido muito" após "uma discussão familiar e um surto".

Divulgação/Atlético-GO

Rogério Ceni leva "frango" como técnico

Rogério Ceni via seu time realizar uma apresentação convincente no Morumbi, goleando a Ponte Preta por 5 a 2 e empolgando a torcida tricolor. No entanto, o ex-goleiro cometeu um deslize ao tentar reproduzir sua antiga profissão.

O treinador tentou pegar uma bola que saíra pela lateral para que ela fosse reposta em jogo rapidamente, ele ajoelhou para encaixá-la, mas a deixou passar pelas mãos e entre as pernas. O "frango" não passou batido na entrevista coletiva após o jogo: "Sem luva fica difícil, e a bola fica ainda mais lisa com o gramado molhado. Foi um frango, sabia que vocês iam falar", disse ele, bem-humorado.

Interino da Ponte surpreende com "Pai Nosso" em coletiva

O técnico interino João Brigatti surpreendeu os jornalistas que compareceram à entrevista coletiva da Ponte Preta após o empate por 1 a 1 com o Corinthians pela oitava rodada do Campeonato Paulista, no Moisés Lucarelli. Para abrir a conversa, Brigatti disse:

"Eu acordo todo santo dia, agradeço a Deus por ter dormido bem uma noite, por ter acordado com saúde, por agradecer os filhos que eu tenho, o trabalho que eu tenho. Peço a Deus que não me deixe sem trabalho, que enaltece ao homem. Gostaria de, junto a vocês, rezar um 'Pai Nosso' de agradecimento, de tudo de bom que acontece na vida da gente."

Dito isso, o interino começou a oração e foi até o fim antes de dar a vez aos jornalistas.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos