São Paulo reclama de ação policial que impediu viagem de torcida a Campinas

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação

    Torcedor mostra ingressos para jogo; PM diz que eles foram barrados por não terem ingresso

    Torcedor mostra ingressos para jogo; PM diz que eles foram barrados por não terem ingresso

O São Paulo emitiu uma nota oficial nesta segunda-feira à tarde para lamentar o fato de torcedores do clube terem sido impedidos de viajar até Campinas no domingo (5) para acompanhar o jogo contra a Ponte Preta, no Moisés Lucarelli. Cerca de 40 ônibus lotados de torcidas organizadas do Tricolor não conseguiram chegar a Campinas (a 92 km da capital paulista) e tiveram que voltar para casa ainda na estrada.

Os organizados dizem que eram 47 ônibus, da Independente e da Dragões da Real, mas a Polícia Militar contou 36, com entre 1500 e 2000 torcedores. Em uma vistoria de rotina na altura da rodovia Anhanguera, a polícia constatou que apenas uma parte dos torcedores tinha ingresso, mas a outra parte disse que os compraria na bilheteria do estádio. Em seu site oficial, a Ponte informou que as bilheterias para os visitantes ficariam abertas até o fim do primeiro tempo da partida.

Mas a informação da PM era diferente. De acordo com o capitão Luis Satto, responsável pela segurança da partida, em uma reunião antes do fim de semana, ficou acertado entre polícia e Ponte Preta que os ingressos seriam vendidos no estádio só até as 11h da manhã e que a bilheteria ficaria aberta até o horário do jogo apenas para troca de vouchers por bilhetes para quem tivesse feito a compra on-line.

A PM então proibiu os torcedores sem ingresso de chegar na cidade, alegando riscos à segurança do evento. "Não posso ter mil pessoas na cidade sem ingresso, eles vão ficar fazendo o quê? Podem causar tumulto ali na frente", disse Satto.

Reprodução/Twitter

Confira a nota do São Paulo na íntegra:

"O São Paulo Futebol Clube, diante dos fatos ocorridos com nossos torcedores que se dirigiam a Campinas para prestigiar a equipe contra a Ponte Preta, lamenta profundamente o procedimento que os impediu de ter acesso ao jogo, obrigando a caravana de cerca de 40 ônibus a retornar à capital em meio à viagem sem que qualquer desrespeito ou outra medida transgressiva tenha ocorrido para justificar a proibição feita de forma tão drástica.

Embora sabedor dos cuidados que orientam o esquema policial, que respeita e aprova, entende o São Paulo FC que medidas extremadas, tomadas sem que tenha havido qualquer ameaça à ordem pública, configuram um excesso que transmite a ideia de autoritarismo, que não contribui para o alcance de um comportamento respeitoso e civilizado.

Acreditamos ser possível que, diante das perspectivas de entendimento, o futebol volte a reunir torcedores acima de tudo interessados em desfrutar do espetáculo, apenas torcendo para os seus times." 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos