Capitão, Coutinho mostra que pode ser protagonista da seleção

Do UOL, em São Paulo

  • Robert Cianflone/Getty Images

Philippe Coutinho entrou em campo com a tarja de capitão da seleção brasileira pela primeira vez em sua carreira. O fato não passou despercebido pela imprensa internacional, que destacou a performance do meio-campista nesta terça-feira, na goleada do Brasil por 4 a 0 sobre a Austrália, como prova de que ele mostra, cada vez mais, que é a segunda estrela do futebol brasileiro – atrás apenas de Neymar.

"Enquanto esteve em campo, suas mudanças de direção, dribles e passes precisos estiveram sempre um nível acima dos demais. Ele pediu a bola, se saiu bem quando pressionado e, com a ausência de Neymar, mostrou que poderia ser o melhor jogador de sua seleção", escreveu o jornal inglês MIrror, ao comentar a estreia do jogador do Liverpool como capitão da seleção.

"Quando Neymar voltar para o time, Coutinho vai ceder o espaço. Afinal, os números da estrela do Barcelona com a seleção mostram que ele é, sem sombra de dúvidas, o melhor e mais decisivo jogador que o Brasil tem. Mas Coutinho tem mostrado que está logo atrás em todos esses quesitos. Ele tem, agora, 14 jogos com o Brasil desde o início de 2016. Com 25 anos recém-completados, ainda estamos vendo apenas o começo de sua trajetória. Em 12 meses, na Rússia, ele está em uma posição excelente para causar um grande impacto na Copa", completou o artigo.

A também inglesa Four-Four-Two também elogiou o jogador, que atuou como meio-campista contra a Austrália, não como atacante pelo lado direito do campo, função em costuma ser usado por Tite. "O ataque do Brasil foi o destaque do jogo e ganhou elogios, mas Philippe Coutinho mostrou mais uma vez que é capaz de coordenar um time durante os 4 a 0", escreveu a revista.

Foi a mesmo opinião da imprensa australiana. O site da TV australiana ABC  disse que "Coutinho dominou o jogo no primeiro tempo, se movendo por todo o campo e ditando o ritmo e intensidade da seleção". Já o jornal de Melbourne Herald Sun o elogiou assim: "Coutinho estava em outro nível. Enquanto o estilo de marcação alta do Brasil fez os Socceroos perderam muitas posses de bola, a Austrália não teve o mesmo sucesso em suas tentativas de pressão. Resultado da qualidade de Coutinho de sempre encontrar um companheiro livre de marcação".

Redenção para Thiago Silva

Outro que ganhou as manchetes internacionais foi Thiago Silva. O jogador, capitão da seleção na Copa do Mundo de 2014, perdeu espaço na equipe nos últimos dois anos. Mas a revista inglesa Four-Four-Two escreveu que o gol contra a Austrália foi sua redenção.

"A Austrália pode ser um rival incomum para Thiago Silva mostrar que ainda pode vestir a camisa da seleção", começou a revista. "Mas ele provou que está pronto para dar ao Brasil a liderança e senso de organização que o time precisa para a Copa de 2018".

A revista ainda fez um elogio à profundidade do elenco nas mãos de Tite. "Silva, aos 32 anos, só jogou, incrivelmente, 47 minutos na campanha do Brasil nas eliminatórias para a Copa. Esse é o maior exemplo de quanto talento Tite tem a sua disposição".

O Mirror também o elogiou. "Ele não enfrentou muita coisa na Austrália, mas mostrou como sua calma com a bola nos pés e habilidade de quebrar linhas defensivas usando passes longos podem ser muito valiosos para a seleção. E ainda marcou um dos gols da goleada".

David Luiz ganha elogios no meio-campo

Outro zagueiro que terminou o jogo em alta foi David Luiz, mesmo atuando como volante. "A estrela do Chelsea teve uma boa atuação no meio-campo", disse a Four-Four-Two. "O Brasil tinha uma garra muito maior do que a Austrália, melhor exemplificada pela performance de David Luiz", analisou o Herald Sun.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos