Opostos de Fred e Ronaldinho, veteranos do Santos não temem crise com Levir

Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

  • Ricardo Nogueira/Folhapress

    Elenco acredita que Ricardo Oliveira e Renato não enfrentarão problemas com Levir

    Elenco acredita que Ricardo Oliveira e Renato não enfrentarão problemas com Levir

O técnico Levir Culpi chegou ao Santos com status de técnico que "barra medalhões", já que afastou Ronaldinho Gaúcho e Fred em trabalhos anteriores por Atlético-MG e Fluminense, respectivamente. Agora, Levir terá de administrar a situação de dois atletas experientes do clube paulista e que não estão em boa fase – casos do atacante Ricardo Oliveira e o volante Renato.

O assunto já é comentado internamente no elenco santista, mas a maioria não está preocupada com isso. Eles alegam que Ricardo Oliveira e Renato têm posturas opostas às de Ronaldinho Gaúcho e Fred fora de campo. Por conta disso, devem cair nas graças de Levir Culpi.

Ricardo Oliveira, por exemplo, é pastor evangélico e não tem histórico de problemas extracampo. O centroavante é capitão santista e, inclusive, pastor de muitos atletas do elenco. Renato não segue a mesma religião, mas carrega a fama de ser um "gentleman" entre os jogadores de futebol: o volante é extremamente educado dentro e fora de campo.

Como Fred e Ronaldinho foram afastados por problemas extracampo com Levir, a dupla experiente do Santos não está preocupada com a troca de treinador na Vila Belmiro.

Caberia a Levir, no entanto, "ressuscitar" o futebol de Ricardo Oliveira e Renato. O primeiro, inclusive, já chegou a esquentar o banco de reservas com Dorival Júnior nesta temporada.

"Não sei bem o trabalho que foi feito. Só sei que foi bem feito. É difícil detectar. Quem estava em boa fase com Dorival pode entrar em má fase comigo. Não dá para detectar um problema e eliminar. Outros surgem. Sozinho, ninguém consegue. Estou otimista. Acho que esse ano ainda vai marcar a história do clube", afirmou Levir Culpi.

Ricardo Oliveira está recuperado de torção no tornozelo esquerdo, mas encara a concorrência de Kayke, que marcou os dois gols do Santos na vitória contra o Atlético-PR. Desta forma, Levir pode manter o time de Elano e deixar o veterano no banco de reservas.

"Estou me apoiando neles. No Dagoberto, no Elano, no Marcelo, no Serginho... Preciso de um apoio inicial nessa leitura. Quando a bola rola, temos noção e conhecemos a maioria deles. Não vamos mexer muito na base. Dar continuidade ao máximo. E amanhã [terça-feira] definir. Não vai ter muita mudança. Pelo contrário", disse.

O experiente camisa 9 é um dos jogadores mais contestados do elenco nesta temporada de 2017. Os próprios números comprovam isso: são apenas quatro gols em 17 jogos (1.402 minutos) – nenhum no Campeonato Brasileiro em quase 320 minutos em campo. Kayke, por sua vez, tem seis gols em bem menos tempo: são 768 minutos em 16 jogos na temporada, quase metade do tempo jogado pelo companheiro de posição.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos