Organizadas do Fla pagam menos e têm ingressos antes de sócios-torcedores

Leo Burlá, Pedro Ivo Almeida e Vinicius Castro

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Pedro Ivo Almeida/UOL

    Fla mantém diálogo com torcidas organizadas e disponibiliza vantagens a integrantes por ingressos. Na foto, presidente Bandeira de Mello (c) participa de encontro com grupo

    Fla mantém diálogo com torcidas organizadas e disponibiliza vantagens a integrantes por ingressos. Na foto, presidente Bandeira de Mello (c) participa de encontro com grupo

A estreia do Flamengo em seu novo estádio na Ilha do Governador, nesta quarta-feira (14), marcará mais um episódio da difícil luta de torcedores por acesso ao setor popular das arquibancadas rubro-negras. Uma fatia dos flamenguistas, no entanto, não vem encontrando problemas para garantir o seu lugar: os integrantes das torcidas organizadas.

Com um plano especial, membros das facções Raça Rubro-Negra, Fla Manguaça e Urubuzada têm ao menos 800 ingressos por jogo garantidos para o disputado setor Norte - o mais barato (R$ 208 no pacote de três jogos) do estádio, com capacidade para 4.600 torcedores.

Os organizados fazem parte de um plano chamado "corporativo", modalidade de sócio-torcedor que, em tese, permite que empresas garantam ingressos mais baratos aos seus funcionários. Na prática, porém, as torcidas rubro-negras são as únicas cadastradas no plano, que foi anunciado discretamente e nem sequer é citado no site do clube. 

Enquanto isso, o torcedor comum que deseja participar do programa de sócio-torcedor precisa se enquadrar em modalidades pré-definidas. Ele pode pagar de R$ 29,90 a R$ 199,90 por mês para entrar em uma das sete categorias. Só a mais cara delas, porém, tem o mesmo privilégio de compra dos organizados. 

Mensalidade de R$ 10

No chamado "plano corporativo", integrantes das três organizadas pagam o valor de R$ 10 ao mês e garantem presença na primeira linha de prioridade de vendas (semelhante àquela dos torcedores comuns que desembolsam R$ 200 por mês no plano "+Paixão", o mais caro).

Gilvan de Souza/ Flamengo
Visão do Setor Norte na Ilha do Urubu, o local das organizadas no estádio do Flamengo

A prioridade diante de um valor tão menor incomoda torcedores comuns, que pagam até mais na mensalidade do sócio-torcedor e não conseguiram adquirir ingressos para o setor Norte no jogo desta quarta, contra a Ponte Preta.

"É complicado pagar R$ 70 por mês, investir em uma categoria acima do plano mais popular para ter a prioridade na venda, e não ter acesso ao ingresso mais barato. Fica difícil entender qual o benefício para o torcedor comum, aquele que é o grosso do plano de sócio-torcedor", analisou o economista Alexandre Padilha, de 44 anos, adepto do plano "Raça+", que acabou desembolsando R$ 400 para acompanhar os próximos três jogos no setor Oeste.

O Flamengo não foge da polêmica e admite internamente que o caso é delicado, mas entende que a viabilização de um plano deste modelo mantém uma relação transparente com as torcidas organizadas - sem distribuição de ingressos, acabando com a farra de cambismo de outros tempos.

"Em 2015 o Flamengo lançou uma categoria de ST corporativo, grupos com 20 membros, no mínimo, que pagam valores fixos mensais e não têm nenhum outro benefício do programa além da compra antecipada de ingressos para apenas um setor do estádio em que o Flamengo é mandante (no caso do Maracanã e da Ilha, é o setor Norte). Essas empresas, entre elas torcidas organizadas associadas ao projeto, são obrigadas a comprar uma quantidade mínima de ingressos por jogo durante todo o ano, caso contrário perdem o direito ao benefício. Todos os seus membros possuem cartão ingresso nominal com dados cadastrais", explicou o clube, reforçando o controle sobre os integrantes das torcidas, em nota enviada à reportagem do UOL Esporte pela assessoria de imprensa.

"Existem regras rígidas para todos os requisitos do contrato, que foi aprovado pelo CODI [Conselho Diretor]. Dentre elas, além da quantidade mínima de ingressos para cada jogo, o plano ST corporativo exige que se pague uma mensalidade fixa para a empresa fazer parte da categoria. Existe também um limite máximo de planos permitidos", reforçou o Flamengo.

Pedro Ivo Almeida/UOL
Dirigentes e jogadores do Flamengo participaram de evento com torcidas organizadas em janeiro: na pauta, debate sobre utilização e presença na Arena da Ilha do Governador

Questionado se não enxergava um privilégio a integrantes de organizadas em detrimento de torcedores comuns, o Flamengo disse que "acredita que é justo, existe um compromisso de presença dessas pessoas. No fim das contas, acreditamos que fica 'pau a pau' com quem paga e não necessariamente vai a todos os jogos".

E o prejuízo aos torcedores comuns poderia ser ainda maior, uma vez que a carga de 800 ingressos para as organizadas já significa uma redução. A facção Torcida Jovem do Flamengo chegou a fazer parte do plano corporativo, mas foi retirada após ser suspensa dos estádios pelo Ministério Público.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos