Mais maduro no Cruzeiro, Thiago Neves não tem esperança de volta à seleção

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Marcello Zambrana/Light Press

    Meia Thiago Neves comemora gol marcado pelo Cruzeiro contra o Santos

    Meia Thiago Neves comemora gol marcado pelo Cruzeiro contra o Santos

Mais maduro e em melhor fase que no período em que defendeu o Fluminense, Thiago Neves está à vontade no Cruzeiro. Grato a Mano Menezes pelas chances na seleção brasileira e na Toca da Raposa II, o meia-atacante faz a sua análise sobre o time e revela os planos para a carreira no Brasil.

Em entrevista ao canal Fox Sports, o camisa 30 revela por que se sente melhor agora que no período em que estava nas Laranjeiras:

"Me vejo um pouco mais maduro, na época do Fluminense tinha muita coisa que eu fazia e não faço. Hoje vejo a hora certa de correr, a hora de controlar a bola. Não fico tão ansioso quando recebo a bola, eu domino a bola. Hoje me vejo melhor que naquela época", disse.

Embora aponte este como um dos melhores momentos da carreira, Thiago Neves crê que a possibilidade de voltar à seleção brasileira é bem remota atualmente:

"Para ser sincero, acho que não dá mais. Óbvio que eu penso sempre, mas até pela minha posição e pelos jogadores que a gente tem hoje na seleção, Philippe Coutinho, Rodriguinho, Luan, acho que está bem difícil. Vou continuar fazendo meu trabalho, jogando da mesma forma. Óbvio que é sonho, jogar a Copa do Mundo, mas acho que está bem difícil. Não tenho a seleção brasileira hoje como meu foco. Hoje, preciso assistir e torcer para esses jogadores arrebentarem".

Ele ainda deu opinião sobre a forma de atuar da equipe. Adepto da escalação mais ofensiva, como a utilizada diante do Grêmio, na segunda-feira, o apoiador deixa a escolha a critério de Mano Menezes.

"Acho que tem que ser assim até pelos jogadores que a gente tem. No jogo com o Corinthians, Mano optou por colocar três volantes, para ver como o Corinthians ia entrar, se ia esperar, porque o Corinthians também é um time de contra-ataque. No segundo tempo, procuramos o gol porque estávamos perdendo. Mostramos que temos condições de jogar mais ofensivo. Agora, passo a bola para o Mano para ele decidir", comentou.

Confira outros tópicos da entrevista de Mano Menezes:
Carinho por Mano
"Tirar concentração nossa não tira, mas a gente perde nosso comandante na beira do campo. Tem momentos no jogo que um ou outro jogador vai para saber o que tem que fazer e já corrige na hora. Quando ele não está, fica o Sidney e é outra coisa. Não tenho o que falar do Mano, ele que me levou para a seleção, deu aval para o Cruzeiro me contratar, é um treinador vencedor. Mas a gente precisa dele. Quanto mais tempo ele ficar ali na beira do campo, melhor". 

Sóbis ou Ábila?
"Não sei [qual a melhor opção para o ataque]. Quem decide é o Mano. O Rafa [Sóbis] já tem mais tempo de amizade, Abilão da Salvação é meu parceiro, amigão que eu fiz aqui. Depende da forma que vamos jogar. Eu gosto de jogar com os dois".

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos