Relatório da Fifa sugere favores e corrupção de Teixeira em escolha da Copa

Do UOL, no Rio de Janeiro

  • Michael Regan/Getty Images

A Fifa divulgou nesta terça-feira (27) o "Relatório Garcia", resultado da investigação sobre os processos de licitação para as sedes da Copa do Mundo de 2018 e 2022. Dentre os citados, o documento apontou sérios indícios de corrupção e recebimento de favores por parte do ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira para favorecer o Qatar na escolha da Copa-2022. Entre os elementos citados no relatório estão pagamento de hotéis milionários e voos privados ao ex-cartola pelos qataris, além da suspeita do uso de amistoso da seleção brasileira possivelmente para desvio de recursos. Há de novo envolvimento do ex-presidente do Barcelona Sandro Rosell.

A Fifa vinha mantendo em segredo o chamado "relatório Garcia" sobre a investigação da Copa-2018 e 2022. Só divulgou trechos em 2014. Mas, após o novo presidente Gianni Infantino desmontar o antigo comitê de ética da entidade, o relatório vazou para o jornal "Bild" que já publicava trechos inéditos. Então, a federação disponibilizou todo o documento.

São três os casos mais graves contra Teixeira, todos relacionados a benefícios recebidos da candidatura do Qatar. Primeiro, em janeiro de 2010, fica acertado um encontro entre o emir do Qatar e Ricardo Teixeira, Julio Grondona (da Argentina) e Nicolas Leóz (ex-presidente da Conmebol, além de João Havelange (ex-presidente da Fifa).

E-mails da candidatura do Qatar informam que foi requisitado por Teixeira e Grondona um jato ao governo do país para irem de Buenos Aires e dos EUA para o Rio de Janeiro, local do encontro. O comitê de candidatura qatari discutiu, inclusive, se o jato seria privado ou do governo. No final, não se comprova se o voo foi pago pelos qataris porque o governo não deu informações sobre o assunto.

Em seguida, como segundo indício de corrupção, há a relação promíscua de Teixeira com Sandro Rosell, ex-presidente do Barcelona e da Nike e hoje preso na Espanha justamente em negócios relacionados à seleção brasileira. Ambos foram padrinhos de casamento e envolvidos em irregularidades investigadas por autoridades do Brasil e da Espanha.

Rosell atuou como consultor do Qatar em vários momentos da candidatura, recebendo 2 mil euros por dia trabalhado. Ele participa da organização do amistoso entre Brasil e Argentina, em 2010, em Doha. Por esse jogo, as autoridades do Qatar pagaram US$ 7 milhões que, teoricamente, deveria ir para AFA (Associação de Futebol Argentina) e para CBF.

No caso brasileiro, o dinheiro foi para Kentaro que junto com a ISE (Internacional Sports Events) detêm os direitos sobre os jogos da seleção. O relatório cita que uma empresa ligada a Rosell chamada Uptrend ficava com parte do dinheiro desses amistosos, justamente no caso que o levou à prisão na Espanha.

E o documento cita que reportes públicos registraram que Rosell depositou R$ 13 milhões para a filha de 10 anos de Teixeira. Essa informação foi revelada pelo blogueiro do UOL Esporte Juca Kfouri, e é confirmada no relatório. A candidatura do Qatar nega relação desse pagamento com a escolha da Copa, e o relatório não chega a uma conclusão sobre o assunto.

Em terceiro, quando ocorreu o amistoso, o comitê de candidatura qatari pagou as diárias de Ricardo Teixeira na suíte presidencial do Hotel Four Seasons, além de outras despesas como carro com motorista e todos seus gastos no hotel. No total, por apenas quatro dias de estadia, o comitê gastou US$ 23 mil (R$ 76 mil) com o cartola.

Para se ter uma ideia, a suíte de quarto que ele ficou custava 20 vezes o quarto que acomodou Messi no mesmo hotel. A organização do amistoso pagou pela estadia da seleção, mas foi a candidatura do Qatar que bancou diárias de hotel de R$ 16 mil para Teixeira e sua mulher.

No documento do hotel para o amistoso de 2010 mostra que cada conta dos quartos havia um apelido. Apesar de o "Time Brasil" ser pago pelo "Grupo", o de Ricardo Teixeira o responsável tinha o apelido de "Bid2022" (eleição 2022).

Ao final, Michel Garcia (ex-membro do FBI e investigador do caso para a Fifa) conclui sobre Teixeira: "Enquanto a conduta de Teixeira de aceitar acomodações suntuosas e outros benefícios dados a ele em Doha pelo amistoso do Brasil e Argentina levanta um caso "prima facie", são os fatos e circunstâncias em volta dos contratos dos direitos da CBF que são mais sérios".

Por isso, ele afirmou que Teixeira deveria ser investigado por quebrar seis pontos do código de ética da Fifa: regras de conduta, lealdade, conflito de interesse, oferecer e aceitar presentes, propina e corrupção, e comissão.

"Lula não é nada, pode falar comigo"

Além disso, o ex-cartola brasileiro ainda recebeu outras citações em um total de 89 sobre uma suposta conduta imprópria em conversa com Lord Triesman, representante da Inglaterra, em fato já revelado pela BBC. Outro ponto é que recebeu presentes do comitê japonês no valor de US$ 1 mil.

Em uma das conversas, realizadas no Qatar, Triesman relata ter dito a Teixeira que pretendia visita-lo no Brasil e revelou sua satisfação pelo apoio do então presidente brasileiro Luis Inácio Lula da Silva à candidatura inglesa para a Copa de 2018. O presidente da CBF, então, retrucou: "Lula não é nada. Pode me procurar e dizer o que precisa".

Del Nero e Marin fora do relatório

Ex-presidente da CBF e atualmente em prisão domiciliar nos Estados Unidos, José Maria Marin não foi citado no relatório da Fifa. O mesmo acontece com o atual mandatário da entidade máxima do futebol brasileiro, Marco Polo del Nero. Na época do ocorrido, no entanto, nenhum dos dois fazia parte do Comitê Executivo, responsável pela escolha das sedes dos Mundiais.

No relatório, Garcia ainda afirma que não há indícios de que Joseph Blatter, ex-presidente da Fifa, tenha violado algum artigo do Código de Ética da entidade. No entanto, o documento ressalta que Blatter, como presidente da Fifa, foi responsável por um processo "defeituoso, que gerou profundo ceticismo público" e por presidente um Comitê Executivo com uma cultura que contribuiu para muitos dos problemas apontados no relatório.

Michael Garcia levou 18 meses e entrevistou 75 testemunhas envolvidas nas investigações para as duas Copas. O relatório foi enviado ao presidente do comitê de ética da Fifa, Hans-Joachim Eckert, que decidiu que não há evidências suficientes para a reabertura do processo de votação dos Mundiais. Tal decisão fez Garcia renunciar à função e hoje é um dos integrantes da Corte de Apelações de Nova York.

Procurado pela reportagem, o advogado de Teixeira, Michel Assef Filho, não respondeu.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos