Grohe fala em equilíbrio após críticas: "Não sou o melhor e nem o pior"

Jeremias Wernek

Do UOL, em Porto Alegre

  • Lucas Uebel/Divulgação Grêmio

    Goleiro recebeu apoio da torcida após jogo contra o Atlético-PR, pela Copa do Brasil

    Goleiro recebeu apoio da torcida após jogo contra o Atlético-PR, pela Copa do Brasil

A vida de Marcelo Grohe, não importa o ano ou o mês, se divide entre críticas e elogios. O goleiro está no time profissional do Grêmio desde 2006 e no período, já conviveu com os dois lados da moeda dezenas de vezes. A mais recente foi contra Corinthians e Atlético-PR. Em três dias, ele saiu de vilão a herói e disse entender e suportar a montanha russa onde vive.

Criticado pelo lance que terminou no gol de Jadson, domingo, ele teve o nome ovacionado depois de fazer boa defesa em finalização de Pablo, na quarta-feira.

"Não sou o melhor goleiro do mundo e nem o pior. Trabalho muito. Sempre faço o meu feedback do jogo. Nesses momentos a gente precisa ter equilíbrio. Não achar que é o melhor goleiro do mundo e nem achar que é o pior. É ter esse equilíbrio, nossa carreira não é fácil, é muita cobrança", disse o camisa 1.

Contra o Corinthians, Marcelo Grohe foi contestado após Jadson chutar e a bola passar por entre suas pernas. Diante do Atlético-PR, ele até falhou e deu origem a um tiro livre indireto por pegar com as mãos após desarme de Geromel. Mas se redimiu. Impediu o gol do Furacão após boa jogada de Pablo, pouco antes do intervalo.

"A bola passou no meio das pernas do Marcelo, mas o Jadson estava cara a cara com ele. Eu falei com ele (Marcelo Grohe) depois do jogo de domingo, tive uma conversa muito boa com ele. Aqui dentro todo mundo abraçou o Marcelo, deu a maior força a ele. O gesto da torcida foi importante, ele foi abraçado por todos. O abraço começou aqui mesmo, no vestiário. Ele é importante para o grupo, sempre ajudou. E vai continuar ajudando. Uma crítica aqui ou ali é válida, temos que levar pelo lado positivo", defendeu Renato Gaúcho.

Ainda no domingo, Grohe não se furtou de falar. Foi até a zona mista, mas evitou definir se o gol do Corinthians saiu por falha ou não. Três dias depois,  voltou a atender a imprensa e revelou que mesmo se isolando preciso lidar com a contestação recorrente.

"Entendo perfeitamente o trabalho de vocês, mas tenho que procurar absorver. Não estou aqui para me defender, nem nada do tipo, eu sou um cara muito aberto. No domingo eu fiquei com minha família, meus filhos, procurei não escutar muito vocês. Mas acaba chegando, por amigo ou família. Chegou a mim que estou em uma fase terrível. Eu tenho que achar esse equilíbrio, saber lidar", comentou Marcelo Grohe.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos