Messi teria usado fundação para evitar pagamento de impostos na Espanha

Do UOL, em São Paulo

  • Albert Gea/Reuters

Lionel Messi está mais uma vez na mira da Receita Federal espanhola. De acordo com o jornal "ABC", o jogador do Barcelona utilizou a Fundação Leo Messi para cobrar valores referentes à direitos de imagem sem precisar pagar impostos.

A publicação afirma que o esquema utilizado por Messi, seu pai, Jorge, e o irmão Rodrigo é parecido com o feito pela pessoa física, que rendeu uma condenação de 21 meses de prisão ao jogador do Barcelona. A pena acabou revertida em pagamento de multa de 255 mil euros (cerca de R$ 950 mil).

Apenas uma parte dos valores recebidos pela Fundação Messi teriam sido destinados a projetos sociais. A lei espanhola obrigada que 70% de todo valor que entrar em uma ONG seja direcionado para tal fim, algo que não aconteceu no caso de Messi.

A lista de contratos de patrocínios fechados pela Fundação e que não foram declarados tanto na Espanha quanto na Argentina seria muitos, de acordo com a publicação. O principal dele seria o acordo iniciado em 2013 com a Ooredoo, antiga Qatar Telecom, empresa qatariana de telefonia.

A publicação não informa os valores que deixaram de ser declarados por Messi, mas fala em "milhões de dólares". Messi é o "embaixador mundial da marca" e participou de ações promocionais no Qatar, Kuwait, Omã, Indonésia, Argélia e Tunísia.

Caso Messi tivesse cobrado os valores em seu nome físico, a legislação espanhola exigiria o pagamento de mais de 50% em impostos.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos