Leco culpa resultados e 'preservação da imagem' por demissão de Ceni

Bruno Grossi e José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

O presidente do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, explicou a demissão do treinador Rogério Ceni, anunciada na segunda-feira (3). Segundo o dirigente, a decisão foi tomada por conta dos resultados negativos do ex-goleiro, que entregou a equipe na 17ª colocação do Campeonato Brasileiro, abrindo a zona de rebaixamento. Na Copa Sul-Americana, foi eliminado ainda na primeira fase para o modesto Defensa y Justicia, no Morumbi. Antes, caiu também na quarta fase da Copa do Brasil, para o Cruzeiro, e na semifinal do Campeonato Paulista, diante do Corinthians. 

"Peço desculpa que a disponibilidade não é tanta porque estamos tratando das questões decorrentes da saída de Rogério Ceni, por quem tenho imenso respeito e apreço. A circunstância da saída dele não modifica em absolutamente esse aspecto. Ela se deu somente em razão de que o projeto desenvolvido sofreu percalços e pelo fato do São Paulo não ter conseguido os resultados desejados, com eliminações e a situação difícil em que nos encontramos no Brasileiro. Acabamos nos obrigando a uma decisão seguida de profunda reflexão que se desenvolveu ao longo dos últimos dez dias. Essa trajetória descendente precisaria ser interrompida. Foi serena e respeitosa com ele, inclusive com a segurança de estar, de uma certa forma, protegendo uma figura histórica, da tradição do São Paulo, um de seus maiores ídolos. Infelizmente, em razão de novo momento e trabalho, vinha sendo objeto de desgaste para a figura dele, algo que não merecia. Por essa razão é que ocorreu a deliberação que tomamos e ela, enfim, certamente causou comoção. Causou contrariedade, mas também compreensão a muitos. Posso assegurar diante de tantas manifestações que tive conhecimento", disse Leco, que chegou ofegante à sala de imprensa do CT da Barra Funda.

No total, foram 37 partidas de Rogério Ceni como treinador, começando pela estreia na Florida Cup com empate sem gols contra o River Plate e terminando com derrota por 2 a 0 para o Flamengo, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro, no último domingo. O ex-goleiro somou 14 vitórias, 13 empates e dez derrotas, além de 55 gols pró e 42 gols contra e 49,5% de aproveitamento.

"A diretoria segue pensando que é apenas circunstancial, mas com responsabilidade de não ignorar que isso aconteceu com outros grandes e pode acontecer com a gente. Nunca aconteceu e a gente faz de tudo para evitar. A possibilidade de recuperação existe e há qualidade para isso", disse Leco. 

O dirigente fez o possível para tentar minimizar a culpa da diretoria na queda de Rogério Ceni. "A diretoria não tem nenhuma responsabilidade direta. A diretoria teve a coragem de contratá-lo sendo uma figura desconhecida e novata no tema da direção técnica. A diretoria confiou no trabalho, deu a ele todas as condições de realizá-lo, todas e um pouco mais. É inegável. A diretoria acabou concluindo que uma trajetória descendente para a história dele e do clube deveria merecer um enfrentamento. Entre agir e omitir, preferimos agir. E fizemos de forma segura", afirmou o mandatário.

Além de Ceni, a comissão técnica já havia perdido o auxiliar inglês Michael Beale, que pediu demissão na última sexta-feira. Outro que teve a saída confirmada foi o francês Charles Hembert, supervisor de futebol. "Certamente o tempo foi muito pouco, mas isso por si só não se mede pelo tempo, mas por tudo o que está acontecendo nesse processo. Dois anos, aconteça o que acontecer? Não pode ser dessa forma", ponderou.

O provável substituto de Rogério Ceni no cargo é Dorival Júnior. Nesta terça-feira, em Florianópolis, o diretor de futebol do São Paulo, Vinícius Pinotti, se reuniu com o treinador  para discutir a proposta. O dirigente ficou satisfeito com a conversa do técnico e agora vai discutir com o presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, qual o desfecho da transação. A tendência é de que o contrato seja assinado com prazo até dezembro de 2018. 

Segundo apurou a reportagem, Dorival também ficou bem impressionado com o encontro. O treinador foi escolhido como o nome de consenso entre os dirigentes são-paulinos. Após deixar o Santos há um mês, o treinador havia recebido sondagens de Dubai e da China. Porém, deixou claro para o seu estafe a intenção de permanecer no Brasil. Por isso, a proposta do Tricolor  é vista com bons olhos pelo técnico.

No entanto, a tendência é de o treinador ser apresentado em São Paulo apenas na próxima semana. A mulher de Dorival tem um exame cardiológico agendado neste fim de semana e ele deve acompanhá-la até domingo. Enquanto o novo técnico não começa o trabalho no CT da Barra Funda, o cargo será ocupado de maneira interina pelo auxiliar Pintado, que deve comandar a equipe no domingo, na Vila Belmiro, no clássico com o Santos.

""Falado já foi, mas nada conclusivo. Houve manifestação recíproca de interesses, mas não é algo que se resolve num estalar de dedos. Exige mais relacionamento. Ainda não há nada concluído. E pretendemos fazer com ele, ou com outro, porque há outras opções, já nos próximos dias", disse Leco.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos